O que é o fenômeno El Niño e La Niña

Você sabe o que é o El Niño e La Niña? O clima pode ser influenciado por uma gama muito ampla de fenômenos e de elementos, sendo sensível a alterações de cada um deles. Alguns exemplos são a temperatura, pressão, massas de ar, regime de chuvas, latitude, altitude, vegetação, relevo e muitos outros fatores que estão interligados entre si, e influenciam um ao outro mutualmente. Todavia, existem alguns acontecimentos climáticos que podem ser classificados como anomalias, sendo que estes representam alterações no sistema atmosférico e provocam mudanças em várias partes do planeta.

Duas dessas anomalias e uma das principais, são os famosos fenômenos El Niño e a La Niña.

Confira assuntos semelhantes aqui.

O que é o fenômeno el niño e la niña
O que é o fenômeno el niño e la niña

El Niño e La Niña

Ambas as anomalias estão intimamente ligadas por serem uma o contrario da outra. O nome é originado nos países da America Latina, que observaram o fenômeno próximo ao Natal, e assimilaram a data pelo nascimento do menino Jesus, em espanhol, El Niño.

El Niño é caracterizado pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico na região próxima ao Peru, com ocorrência, em média, duas vezes a cada dez anos e dura cerca de 18 meses. Quando o El Niño acaba, geralmente, surge logo em seguida o fenômeno contrário chamado de La Niña.

As duas anomalias geram uma série de consequências no mundo inteiro, o El Niño, no caso resulta em altos índices pluviométricos em algumas regiões do mudo, como na costa oeste da América do Sul, e graves períodos de seca e estiagem em outras, como na Austrália. Além disso, o fenômeno também provoca verões com temperaturas acima da média na Europa e nos Estados Unidos. Especificamente no Brasil, provoca secas em algumas áreas e o aumento das chuvas em outras, ocasionando profundas alterações meteorológicas.

Já o La Niña, representa um esfriamento das águas do oceano Pacífico em virtude do aumento da força dos ventos alísios. No Brasil, o La Niña provoca os efeitos opostos, com a intensificação das chuvas na Amazônia, no Nordeste e em partes do Sudeste. No restante do globo, o La Niña provoca a queda das temperaturas na América do Norte e na Europa.

Os eventos são cíclicos, ou seja, repetem durante um determinado tempo, podendo se manifestar a cada três ou até sete anos.

Fenômeno el niño e la niña no brasil
Fenômeno El Niño e La Niña no Brasil

Entenda o fenômeno La Niña

La Niña consiste em uma alteração cíclica das temperaturas médias do Oceano Pacífico, sendo observado principalmente nas águas localizadas na porção central e leste desse oceano, causando esfriamento das águas em virtude do aumento da força dos ventos alísios. O fenômeno é capaz de modificar uma série de outros fatores, como a distribuição de calor, concentração de chuvas, formação de secas e a pesca não apenas no local mas no mundo todo.

As origens do La Niña (e do El Niño) são bastante controversas no meio científico, mas a alternância entre as anomalias aponta mudanças de intensidade de calor solar, e consequente determinam os indices da radiação solar que alcança o planeta, promovendo a mudança de temperatura.

O oceano pacífico cobre praticamente 1/3 da superfície terrestre, e por isso, as implicações dessas alternâncias são muito amplas e repercutem na distribuição de calor e umidade em quase todo o mundo.

O fenômeno La Niña ocorre nos intervalos entre o El Niño e a normalidade das temperaturas do Oceano Pacífico.

O La Niña diminui a recorrência de chuvas do litoral do Chile, Peru e Equador, pois com o aumento da velocidade dos ventos alísios, a formação de nuvens acaba dispersa em direção à Oceania e Indonésia. Desta forma, a Austrália, por exemplo, acaba experimentando o aumento considerável de suas chuvas durante a ocorrência do La Niña.

Apesar do prejuízo pluvial nessas regiões, em contrapartida, a pesca acaba favorecida no litoral leste do Oceano Pacífico, junto à América do Sul, o que pode ser explicado pelo fortalecimento das altas pressões, que fazem os ventos soprarem com maior intensidade, deslocando as águas superficiais e fazendo com que os nutrientes e fitoplâncton se aproximem da superfície. Com isso, os cardumes são atraídos favorecendo a atividade pesqueira.

O último evento La Niña, ocorreu entre os anos de 2010 e 2012, onde pode-se observar algumas consequências para o clima e a economia, em especial para as atividades agrícolas. O fenômeno La Niña resultou, por exemplo, na diminuição da safra de cana-de-açúcar, causando o aumento dos preços do etanol.

O fenômeno la niña resultou, por exemplo, na diminuição da safra de cana-de-açúcar, causando o aumento dos preços do etanol
O fenômeno La Niña resultou, por exemplo, na diminuição da safra de cana-de-açúcar, causando o aumento dos preços do etanol

Entenda o fenômeno el niño

Podemos definir o El Niño como um fenômeno atmosférico-oceânico que provoca o aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico tropical, influenciando a distribuição da temperatura da superfície da água e do clima de várias regiões do mundo.

Em condições normalizadas, os ventos alísios sopram com certa intensidade na costa oeste da América do Sul, o que provoca a ressurgência de águas frias. O El Niño faz com que esses ventos soprem com menos intensidade, causando a ressurgência de águas mais quentes, causando significativas mudanças climáticas em vários países.

O El Niño resulta em altos índices pluviométricos em algumas regiões específicas, como na costa oeste da América do Sul, e em graves secas e períodos de estiagem em outras localidades, como na Austrália, por exemplo. O fenômeno também provoca verões com temperaturas acima da média na Europa e nos Estados Unidos. No Brasil, o fenômeno também possui forte influência, provocando excesso de chuvas na região sul e sudeste; e secas na região nordeste.

Video aula sobre El Niño e La Niña

FAQ – Perguntas frequentes

O que é o fenômeno La Niña?

La Niña consiste em uma alteração cíclica das temperaturas médias do Oceano Pacífico, sendo observado principalmente nas águas localizadas na porção central e leste desse oceano, causando esfriamento das águas em virtude do aumento da força dos ventos alísios. O fenômeno é capaz de modificar uma série de outros fatores, como a distribuição de calor, concentração de chuvas, formação de secas e a pesca não apenas no local mas no mundo todo.

O que é o fenômeno El Niño?

Podemos definir o El Niño como um fenômeno atmosférico-oceânico que provoca o aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico tropical, influenciando a distribuição da temperatura da superfície da água e do clima de várias regiões do mundo.

Qual as consequências do El Niño e La Niña?

As duas anomalias geram uma série de consequências no mundo inteiro, o El Niño, no caso resulta em altos índices pluviométricos em algumas regiões do mudo, como na costa oeste da América do Sul, e graves períodos de seca e estiagem em outras, como na Austrália. Além disso, o fenômeno também provoca verões com temperaturas acima da média na Europa e nos Estados Unidos. Especificamente no Brasil, provoca secas em algumas áreas e o aumento das chuvas em outras, ocasionando profundas alterações meteorológicas.
Já o La Niña, representa um esfriamento das águas do oceano Pacífico em virtude do aumento da força dos ventos alísios. No Brasil, o La Niña provoca os efeitos opostos, com a intensificação das chuvas na Amazônia, no Nordeste e em partes do Sudeste. No restante do globo, o La Niña provoca a queda das temperaturas na América do Norte e na Europa.

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de conferir nossas redes sociais para ficar por dentro de novos assuntos.

Deixe um comentário