Entenda o discurso direto indireto e livre

Você sabe a diferença entre discurso direto indireto e livre?

O discurso direto é a reprodução de maneira direta da fala das personagens ou seja, a reprodução integral, literal e bloquial, introduzida por travessão. Nessa estrutura, as falas são acompanhadas por um verbo declarativo, seguido de dois pontos e travessão. O discurso é direto quando são as personagens que falam.

O discurso indireto é definido como o registro da fala da personagem sob influência por parte do narrador. Nesse tipo de discurso, os tempos verbais são modificados para que haja entendimento quanto à pessoa que fala. Além disso, costuma a citar o nome de quem fez a fala ou fazer algum tipo de referência.

Discurso indireto livre é uma modalidade de técnica mãe, resultante da mistura dos discursos direto e indireto, sendo um processo de grande efeito estilístico.

Discurso direto indireto e livre - discurso direto, discurso indireto, discurso livre - entenda o discurso direto indireto e livre - public speaking 1 - gramática, língua portuguesa
Entenda o discurso direto indireto e livre

Discurso direto indireto e livre

Discurso direto indireto e livre são utilizados em textos narrativos para iniciar a fala ou o pensamento de um personagem.

Esse é um assunto cobrado na maioria dos vestibulares. Podemos encontrar como questão identificar os tipos de discurso do texto de apoio ou, ainda, pode ser solicitado que seja feita uma transposição de um tipo para outro. 

Entenda o discurso direto indireto e livre
Entenda o discurso direto indireto e livre

Diferenças entre discurso direto indireto e livre

Discurso direto

O discurso direto é caracterizado como aquele em que o narrador reproduz as palavras de outra pessoa ou personagem, podendo aparecer no meio do texto. Para isso, utiliza recursos de pontuação como uso das aspas, dois pontos ou travessão.

Além disso, esse tipo de discurso também pode utilizar de verbos de elocução, que apresentam relação com o verbo “dizer” como falar, responder, perguntar, indagar, declarar, exclamar, dentre outros.

Exemplos:

  • Na cerimônia de colação de grau, os formandos em Direito disseram: “Prometo cumprir meus deveres e defender com firmeza e honestidade.”
  • Da sala do juiz, todos ouviram o réu dizer: “Sou inocente, juro!”.
  • Com desejo de comer pizza, Rafael decidiu pedir uma pelo telefone:

  — Pizzaria Aqui tem Pizza, alô, quem fala?

  — Alô, boa noite! É o Rafael. Com quem eu falo?

Entenda o discurso direto indireto e livre
Entenda o discurso direto indireto e livre

Discurso Indireto

Já no discurso indireto, o interlocutor diz o que a outra pessoa ou personagem falou. Ele o faz com as suas próprias palavras. É o tipo de discurso mais comum no dia a dia, narrado na terceira pessoa e dispensa o uso de travessão. 

Exemplos:

  • Na cerimônia de colação de grau, os formandos em Direito disseram que vão cumprir seus deveres defender com firmeza e honestidade.
  • Da sala do juiz, todos ouviram o réu jurar que era inocente.
  • Rafael estava desejando comer uma pizza e decidiu ligar para a pizzaria. Do outro lado da linha, alguém atendeu e perguntou quem estava falando. Rafael se apresentou e perguntou também com quem ele estava falando.

Mudando do discurso direto para o indireto

 Discurso Direto Discurso Indireto
Preciso me alongar por alguns instantes.Disse que precisava se alongar por alguns instantes.
Sou a pessoa que ganhou o prêmio.Disse que era a pessoa que ganhou o prêmio.
Não vi o jornal hoje.Disse que não tinha visto o jornal hoje.
O que fará para solucionar o problema da falta de água?Perguntou-me o que faria para solucionar o problema da falta de água.
Não me interrompa mais!Pediu que não lhe interrompesse mais.
Isto é incrível.Disse que aquilo era incrível.
Somos muito felizes aqui.Disse que são muito felizes aqui.
Entenda o discurso direto indireto e livre
Entenda o discurso direto indireto e livre

Você também pode se interessar por:

Discurso Indireto Livre

No caso do discurso indireto livre, ele é caracterizado pela junção dos discursos direto e indireto. Havendo intervenções do narrador e da fala dos personagens.

Nesse tipo de discurso as falas dos personagens e do narrador podem ser confundidas quando não existirem marcas para mostrar a mudança do discurso. Isso porque no discurso indireto livre não há indicações de separação da fala do narrador da fala da personagem, que são feitos por meio de verbos de elocução, conjunções ou sinais de pontuação. 

No discurso indireto livre o narrador assume o lugar da outra pessoa do discurso, assumindo sentimentos e pensamentos, inserindo-os na sua própria narrativa. 

Exemplos

  • João fez o que julgava importante. Não estava arrependido, mas senti um alívio. Talvez não tenha sido suficientemente justo com os seus sentimentos.
  • O despertador não tocou hoje. Nossa, vou chegar atrasado!
  • Amanheceu fazendo frio. Vou passar o dia em casa, assistindo filme.

Textos narrativos

Uma narrativa, história ou conto é qualquer relato de uma série de eventos ou experiências relacionadas, sejam não ficcionais ou fictícias. As narrativas podem ser apresentadas através de uma sequência de palavras escritas ou faladas, imagens fixas ou em movimento, ou qualquer combinação destas.

Nesse gênero textual, os acontecimentos são transmitidos por um narrador, estando estruturado em introdução, desenvolvimento e conclusão. O texto narrativo apresenta como característica estrutural a presença de elementos da narração, que são: espaço, tempo, personagem, enredo e narrador.

  • Espaço: refere-se ao local do acontecimento da narrativa. Pode ser um lugar físico, social (características do ambiente social) e psicológico (comportamento do sujeito).
  • Enredo: o enredo de um texto narrativo é a história composta pelos acontecimentos que ocorrem em determinado tempo e espaço. 
  • Tempo: é a duração da ação. Pode ser cronológico (horas, dias, anos etc.) ou psicológico (lembranças e vivências das personagens). 
  • Personagens: aparecem caracterizados por meio de qualidades físicas e psicológicas. Os personagens possuem diferentes importâncias na narração, sendo chamados de personagens principais e personagens secundários. 
  • Narrador: no texto narrativo o narrador é o interlocutor da história. Para isso, existem vários tipos de narrador, sendo:
  1. Narrador onisciente e onipresente: conta a história a partir de uma visão íntima dos personagens. Faz a narração na 3.² pessoa ou na 1.² pessoa, em discurso indireto livre. Nesse caso, a voz do narrador pode ser confundida com a voz dos personagens. 
  2. Narrador personagem, participante ou presente: esse narrador conta a história na 1ª pessoa, sendo além de narrador também personagem dos acontecimentos. Este tipo de narração apresenta-se de forma subjetiva, com base no ponto de vista e nas emoções do narrador.
  3. Narrador observador, não participante ou ausente: conta a história de forma limitada, sem se envolver no conto. Faz uma narrativa imparcial e objetiva, utilizando o discurso na 3ª pessoa.

FAQ – Perguntas Frequentes

O que é discurso direto?

O discurso direto é a reprodução de maneira direta da fala das personagens ou seja, a reprodução integral, literal e bloquial, introduzida por travessão. Nessa estrutura, as falas são acompanhadas por um verbo declarativo, seguido de dois pontos e travessão. O discurso é direto quando são as personagens que falam.

O que é discurso indireto?

O discurso indireto é definido como o registro da fala da personagem sob influência por parte do narrador. Nesse tipo de discurso, os tempos verbais são modificados para que haja entendimento quanto à pessoa que fala. Além disso, costuma a citar o nome de quem fez a fala ou fazer algum tipo de referência.

O que é discurso indireto livre?

Discurso indireto livre é uma modalidade de técnica mãe, resultante da mistura dos discursos direto e indireto, sendo um processo de grande efeito estilístico.

Gostou do conteúdo? Que tal dar uma olhadinha em outros assuntos?

Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais para ficar por dentro de tudo!

Deixe um comentário