Gênero Lírico: Entenda O que é, o “Eu Lírico” e seus Subgêneros

O gênero lírico tem suas origens na Grécia Antiga, com poetas como Safo e Píndaro, e se desenvolveu ao longo dos séculos em diferentes tradições literárias, como a poesia trovadoresca da Idade Média, o Romantismo do século XIX e o Modernismo do século XX. O gênero lírico é um dos três gêneros literários clássicos, ao lado do épico e do dramático.

O gênero lírico se caracteriza pela expressão dos sentimentos, emoções e estados de alma do autor, que pode ser representado por um “eu” lírico, ou seja, um sujeito poético que fala em primeira pessoa.

É aquele que expressa emoções e sentimentos do autor ou do narrador. Vamos falar sobre o Gênero Lírico. suas características e muito mais. Se ficar com dúvidas, é só deixar aí nos comentários.

O “Eu lírico”

O “Eu Lírico” é um elemento fundamental da poesia lírica, que representa a voz poética presente em um poema. Ele pode ser entendido como uma persona poética criada pelo poeta para expressar seus sentimentos e emoções, e pode ser construído de diferentes maneiras, dependendo do estilo e do tema do poema.

É um termo utilizado para se referir à voz poética presente em um poema lírico. Ele é um elemento fundamental da poesia lírica, pois é através dele que o poeta se expressa e transmite seus sentimentos e emoções. O eu lírico pode ser entendido como uma persona poética, ou seja, uma espécie de personagem criada pelo poeta para expressar seus pensamentos e sentimentos.

É importante ressaltar que o eu lírico não é necessariamente o próprio poeta, mas sim uma construção literária que pode ou não refletir a personalidade e as vivências do autor.

Ele pode ser construído de diferentes maneiras, dependendo do estilo e do tema do poema. Por exemplo, ele pode ser um “eu lírico” romântico, que expressa sentimentos intensos e passionais, ou um eu lírico filosófico, que reflete sobre questões existenciais e metafísicas.

Em alguns casos, o “eu lírico” pode até mesmo assumir a forma de um objeto ou elemento da natureza, como uma flor ou uma árvore, que passa a ser personificado e a expressar seus próprios sentimentos e pensamentos.

O termo “eu lírico” tem suas origens na poesia lírica da Grécia Antiga, especificamente na poesia de Safo de Lesbos, que viveu no século VII a.C. Safo é conhecida por ter criado uma poesia lírica que expressa sentimentos e emoções pessoais, utilizando frequentemente a primeira pessoa do singular em seus poemas.

A partir de Safo, outros poetas gregos e romanos seguiram a tradição da poesia lírica, como Anacreonte, Horácio e Catulo, e utilizaram a primeira pessoa do singular em seus poemas para expressar seus sentimentos e emoções.

Ao longo dos séculos, o uso do eu lírico se tornou uma característica marcante da poesia lírica, sendo utilizado por poetas de diferentes épocas e culturas, como Dante Alighieri, William Shakespeare, John Keats, Emily Dickinson, Fernando Pessoa, Pablo Neruda, entre outros.

Um exemplo clássico de eu lírico na poesia é o soneto “Soneto de Fidelidade”, de Vinicius de Moraes. Nele, o poeta utiliza a primeira pessoa do singular para expressar seus sentimentos de amor e fidelidade:

"De tudo, ao meu amor serei atento 
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto 
Que mesmo em face do maior encanto 
Dele se encante mais meu pensamento"

Outro exemplo de eu lírico na poesia é o poema “O Infante”, de Fernando Pessoa, em que o poeta utiliza a primeira pessoa para criar uma persona poética que expressa sua visão de mundo:

"Eu vi em sonhos o Infante, meu Senhor, 
Que eu nunca vi senão em sonhos meus. 
E vi que ele era criança e Rei, 
E que eu, que sou velho, o saudava assim: 
'— Meu Senhor, não morrestes? — 
E ele sorriu Como quem diz 'Não morro nunca mais' 
E eu acordei chorando."

Subgêneros do Gênero Lírico

Alguns dos temas mais comuns na poesia lírica são o amor, a natureza, a morte, a religiosidade e a melancolia. Além disso, a poesia lírica pode ter uma função social e política, como a poesia engajada ou a poesia de protesto, que buscam conscientizar o leitor sobre questões sociais e políticas relevantes.

O gênero lírico é um tipo de poesia que expressa sentimentos e emoções do autor, geralmente por meio de um “eu” lírico, e pode apresentar-se em diferentes formas e estilos. A poesia lírica é geralmente escrita em versos e tem um foco no mundo interno e subjetivo. Os subgêneros do gênero lírico incluem:

Soneto

O soneto é um poema de 14 versos que segue uma estrutura fixa de rimas e métrica. Geralmente é dividido em duas partes: o primeiro grupo de versos apresenta o tema e o segundo grupo desenvolve ou conclui o tema. O soneto é um subgênero lírico muito popular na literatura ocidental.

William shakespeare
William Shakespeare

A estrutura e métrica do soneto podem variar de acordo com a tradição ou escola literária em questão, mas a forma mais comum é conhecida como “soneto petrarquiano”, que segue um esquema rígido de rimas ABBA ABBA CDE CDE.

Os sonetos são conhecidos por sua habilidade em expressar emoções intensas em poucas palavras, explorando temas como amor, paixão, beleza, morte e tempo.

Embora a forma tenha evoluído ao longo dos séculos, o soneto continua a ser uma forma poética popular e desafiadora. Muitos poetas famosos, incluindo William Shakespeare, John Donne e Elizabeth Barrett Browning, escreveram sonetos notáveis que são amplamente estudados e apreciados até hoje.

Ode

A ode é um poema que celebra ou homenageia uma pessoa, objeto ou evento. É geralmente escrita em versos livres e apresenta um tom de exaltação ou admiração. A ode foi popularizada pelos poetas gregos antigos, mas também é encontrada em outras tradições literárias.

As odes podem ser divididas em três tipos principais: a ode pindárica, a ode horaciana e a ode irregular. A ode pindárica, assim chamada em homenagem ao poeta grego Píndaro, é geralmente composta de estrofes tripartidas, com uma estrutura métrica e rítmica bastante complexa.

A ode horaciana, assim chamada em homenagem ao poeta romano Horácio, é mais simples em termos de métrica e rima, geralmente seguindo uma estrutura de quatro ou seis estrofes. A ode irregular é uma forma mais livre que não segue uma estrutura métrica ou rítmica definida, permitindo ao poeta mais liberdade criativa.

Elas são frequentemente usadas para expressar emoções fortes e intensas, como amor, patriotismo, admiração ou pesar. Muitos poetas famosos, como John Keats, Pablo Neruda e Percy Bysshe Shelley, escreveram odes notáveis que são amplamente estudadas e apreciadas até hoje.

Elegia

A elegia é um poema que lida com a tristeza e a perda, geralmente em memória de alguém. É um subgênero lírico comum na literatura ocidental, e muitas vezes apresenta um tom melancólico e nostálgico. A elegia tem suas raízes na poesia grega antiga, onde era usada para lamentar a morte de um indivíduo importante ou para expressar tristeza coletiva em face de uma tragédia.

A forma poética da elegia evoluiu ao longo do tempo e tem sido usada por poetas em todo o mundo para expressar uma ampla variedade de emoções de perda e pesar.

Alguns exemplos famosos de elegia incluem “In Memoriam A.H.H.” de Alfred, Lord Tennyson, que lamenta a morte de seu amigo Arthur Henry Hallam, e “Elegia Escrita em um Cemitério Rural” de Thomas Gray, que homenageia os camponeses enterrados em um cemitério rural. A elegia continua a ser uma forma poética popular e poderosa que é frequentemente usada para expressar emoções profundas e pessoais.

Haicai/Haiku

O haicai é um poema japonês de três linhas, com uma estrutura fixa de sílabas. Ele apresenta uma imagem da natureza e geralmente transmite uma sensação de harmonia e equilíbrio. O haicai é um subgênero lírico muito apreciado na poesia japonesa.

O haiku foi popularizado no Ocidente por poetas como Ezra Pound e William Carlos Williams, que incorporaram a forma poética em seu trabalho.

Hoje, o haiku é uma forma poética amplamente apreciada e praticada em todo o mundo, e muitos poetas famosos, como Basho, Buson e Issa, são conhecidos por suas contribuições para o gênero.

Haicai
Exemplo de Haicai (fonte: Wikipédia)

O haiku tradicionalmente descreve um momento ou cena da natureza, usando uma linguagem simples e objetiva para transmitir uma emoção ou impressão. Os haikus geralmente incluem imagens vívidas da natureza, como flores, árvores, animais e elementos naturais, e muitas vezes usam um kigo, uma palavra ou frase que evoca uma estação específica ou tempo do ano.

Canção

A canção é um poema que é acompanhado por uma melodia e geralmente é cantado. É um subgênero lírico que combina poesia e música, e tem sido popular em muitas culturas ao longo da história. Uma canção é um tipo de poesia que é escrita para ser cantada.

A palavra “canção” deriva do termo latino “cantio”, que significa canto ou música. A forma poética da canção tem uma longa história, remontando à poesia lírica da Grécia antiga e sendo popularizada durante a Idade Média e o Renascimento.

As canções são geralmente compostas de estrofes com refrão, e a métrica e a rima podem variar de acordo com a tradição ou escola literária em questão. A maioria das canções é escrita em versos curtos, com um ritmo que se assemelha à fala cotidiana. A linguagem utilizada na canção é muitas vezes simples e direta, projetada para ser facilmente compreendida e memorizada.

FAQ Rápido

O que é um gênero lírico?

O gênero lírico é uma forma de poesia que expressa emoções e sentimentos pessoais. Diferente do gênero épico, que é focado em narrativas de aventuras e feitos heroicos, ou do gênero dramático, que apresenta diálogos e ações dramáticas, o gênero lírico é mais introspectivo e subjetivo.

O que é gênero lírico exemplos?

Exemplos de gênero lírico incluem sonetos, odes, elegias, haikus, canções, entre outros. Essas formas poéticas são frequentemente usadas para expressar emoções e sentimentos pessoais, bem como para homenagear a natureza, pessoas ou eventos importantes.

Quais são as principais características do gênero lírico?

As principais características do gênero lírico incluem a expressão de emoções pessoais e subjetivas, o uso de linguagem figurativa, imagens e metáforas, a ausência de uma narrativa linear e o foco na expressão artística. Além disso, a métrica, a rima e a estrutura variam de acordo com a forma poética utilizada.

Como identificar o texto lírico?

O texto lírico geralmente apresenta um tom emocional e subjetivo, focando nas emoções e sentimentos do poeta ou do narrador. O uso de linguagem figurativa, imagens e metáforas é comum, assim como a ausência de uma narrativa linear e objetiva. A presença de estrutura poética e métrica também pode ser um indicador de um texto lírico.

Fale conosco nos comentários e diga o que achou dessa matéria e aproveite para ler mais notícias e estudar, como por exemplo, como escrever um texto narrativo, no nosso site.

Deixe um comentário