Entenda o Idealismo alemão

idealismo alemão trata-se de um conjunto de teorias, que como o próprio nome sugere, idealistas. Essas teorias surgiram num contexto bem específico de produção de filósofos alemães, sendo inaugurado por Immanuel Kant. O idealismo alemão também pode ser chamado de pós-kantismo por alguns estudiosos.

idealismo alemão é um conjunto de teorias filosóficas metafísicas complexas que entendem a realidade como uma complexidade existente em, pelo menos, dois planos: um plano material real e sensorial, e um plano ideal, onde são estabelecidos apenas conceitos, significados e formas perfeitas. Bastante semelhante ao platonismo.

Confira assuntos semelhantes aqui e aqui.

O idealismo alemão trata-se de um conjunto de teorias, que como o próprio nome sugere, idealistas
O idealismo alemão trata-se de um conjunto de teorias, que como o próprio nome sugere, idealistas

Contexto histórico

Como dito anteriormente, o idealismo alemão parte do princípio básico de que existe uma realidade metafísica complexa e ideal que seria inteiramente perfeita. Sendo que, o ideal é tudo aquilo que existe enquanto ideia ou conceito.

A realidade material é tudo aquilo o que existe como matéria e é entendido ou, compreendido, pelos órgãos do sentido, tudo aquilo que podemos ver, tocar, ouvir, ou seja, é aquilo que provoca experiências sensoriais. Essa realidade ideal só pode ser compreendida por meio do intelecto, da racionalidade e do estudo.

O idealismo platônico foi resgatado na Modernidade por pensadores racionalistas, como René Descartes e Baruch de Espinoza. 

Para esses racionalistas, é a racionalidade que nos proporciona o conhecimento verdadeiro, pois ela nos permite o entendimento das ideias e dos conceitos, que são a base racional do mundo. Já para os empiristas, a experiência prática vivenciada no mundo “real” é toda a fonte original do conhecimento. O embate entre racionalistas e empiristas foi extremamente importante para o idealismo, levando a elaboração do que chamamos de idealismo alemão.

Idealismo alemão

Para entender o idealismo alemão, é preciso sempre ter em mente que estamos falando sobre um conjunto de teorias idealistas que surgiram num contexto bem específico de produção de filósofos alemães. Seu início se deu pelo pensador do século XVIII, Immanuel Kant, sendo chamado também de pós-kantismo.

Os principais filósofos do idealismo alemão são:

  • Immanuel Kant
  • Johan Gottlieb Fichte
  • Friedrich Wilhelm Joseph Schelling
  • George Wilhelm Friedrich Hegel
O idealismo alemão teve seu início com o pensador do século xviii, immanuel kant, sendo chamado também de pós-kantismo
O idealismo alemão teve seu início com o pensador do século XVIII, Immanuel Kant, sendo chamado também de pós-kantismo

Kant iniciou a discussão acerca do que seria a trégua entre empiristas e racionalistas, o que ficou conhecido como idealismo transcendental. Esse idealismo transcendental de Kant enxergava a coexistência das ideias, da razão e da realidade prática na origem do conhecimento, desta forma, o conhecimento poderia ser adquirido por essas duas origens que não deveriam ser vistas apenas como entes separados.

De acordo com Kant, os conceitos norteiam aquilo que recebemos como dados da experiência prática. Dessa forma, temos uma realidade ambivalente, ou seja, que carrega ambos os valores, e que precisa duplamente dos dois elementos para que o conhecimento seja formado. Além disso, Kant também determinou a relação entre sujeito cognoscente e objeto conhecido, que resulta no conhecimento. Anteriormente, Descartes já havia enunciado essa relação e a separação de sujeito e objeto, porém a inovação de Kant, a sua “revolução copernicana”, foi conhecida como a constatação de que nós, enquanto psicologicamente subjetivos, podemos “conhecer” o mundo de diferentes maneiras por diferentes perspectivas, uma vez que a experiência pode mudar de uma pessoa para outra.

Dessa maneira, a possibilidade de correção seria a utilização da razão, colocando predomínio das ideias sobre a matéria para afirmar um conhecimento sólido, porém sem desprezar a realidade material.

De acordo com kant, os conceitos norteiam aquilo que recebemos como dados da experiência prática
De acordo com Kant, os conceitos norteiam aquilo que recebemos como dados da experiência prática

Principais pensadores do idealismo alemão

Immanuel Kant

Immanuel Kant foi amplamente conhecido por ter formulado o que ele denominou ser uma “revolução copernicana na Filosofia”. O idealismo transcendental kantiano construiu uma teia de conceitos para explicar que tanto o empirismo quanto o racionalismo não conseguiam explicar plenamente o conhecimento humano, uma vez que as duas correntes filosóficas travavam constante embate entre si, e o conhecimento pleno só seria plenamente conquistado com a união dos dois conceitos.

Para Kant, existe a coisa em si (objeto estudado) e o conceito metafisico deste, sendo a nossa relação com esses dois elementos estritamente pessoal e psicológica, no entanto, o conceito universal, serve de norte para o conhecimento pleno.

Johann Fichte

Fichte foi considerado o fundador do idealismo moderno, baseando-se na filosofia kantiana como ponto de partida e para solucionar questões que, segundo ele, Kant não tinha demonstrado ou exposto de forma clara.

Fichte buscou construir um sistema para tornar a filosofia uma ciência precisa e que surgisse de um princípio único e superior, esse sistema o autor chama de doutrina da ciência, onde se busca unificar as três Críticas de Kant.

Fichte também elaborou que quando alguém escolhe uma determinada forma de filosofar, este também está dizendo que aquela é a sua forma de ser como homem, pois de acordo com o pensador, a filosofia não é algo inativa, e sim viva e animada pelo espírito do filósofo.

Fichte também elaborou que quando alguém escolhe uma determinada forma de filosofar, este também está dizendo que aquela é a sua forma de ser como homem
Fichte também elaborou que quando alguém escolhe uma determinada forma de filosofar, este também está dizendo que aquela é a sua forma de ser como homem

Friedrich Schelling

Friedrich Wilhelm Joseph Schelling foi um dos principais representantes do idealismo alemão. A carreira de Schelling foi marcada pela constante busca de um sistema que permitiria conciliar a natureza e o espírito humano com o Absoluto, explorando as fronteiras entre arte, filosofia e ciência.

Schelling acreditava que a natureza é tão real e tem a mesma relevância que o indivíduo, e afirmava também que os objetos da natureza e sua objetividade, é que dá à nossa consciência o substrato, a matéria que iremos reproduzir.

Schelling acreditava que a natureza é tão real e tem a mesma relevância que o indivíduo, e afirmava também que os objetos da natureza e sua objetividade, é que dá à nossa consciência o substrato, a matéria que iremos reproduzir.
Schelling acreditava que a natureza é tão real e tem a mesma relevância que o indivíduo, e afirmava também que os objetos da natureza e sua objetividade, é que dá à nossa consciência o substrato, a matéria que iremos reproduzir.

Friedrich Hegel

Friedrich Hegel afirmava que a consciência deveria passar por uma série de desenvolvimentos para superar as contradições percebidas em conceitos que seriam aparentemente opostos. O pensador buscou uma interpretação racional da multiplicidade sensível, tentando enxergar no finito o que havia de absoluto.

Hegel desenvolveu o que foi chamado de idealismo absoluto, que foi utilizado como base para várias áreas do conhecimento como a política, a psicologia, a arte, a religião e a filosofia. Em sua teoria, afirma que quaisquer contradições e dialéticas podem ser resolvidas com a criação de um modelo que pode refletir no indivíduo e no Estado.

O pensamento de Hegel influenciou alguns filósofos da Escola de Frankfurt e do pensamento existencialista, György Lukács e Wilhelm Dilthey, Søren Kierkegaard e também Karl Marx, criador do manifesto comunista.

Além disso, Hengel foi um grande critico do contratualismo.

Hegel desenvolveu o que foi chamado de idealismo absoluto, que foi utilizado como base para várias áreas do conhecimento como a política, a psicologia, a arte, a religião e a filosofia
Hegel desenvolveu o que foi chamado de idealismo absoluto, que foi utilizado como base para várias áreas do conhecimento como a política, a psicologia, a arte, a religião e a filosofia

FAQ – Perguntas frequentes

O que é o idealismo alemão?

idealismo alemão trata-se de um conjunto de teorias, que como o próprio nome sugere, idealistas. Essas teorias surgiram num contexto bem específico de produção de filósofos alemães, sendo inaugurado por Immanuel Kant. O idealismo alemão também pode ser chamado de pós-kantismo por alguns estudiosos. O idealismo alemão é um conjunto de teorias filosóficas metafísicas complexas que entendem a realidade como uma complexidade existente em, pelo menos, dois planos: um plano material real e sensorial, e um plano ideal, onde são estabelecidos apenas conceitos, significados e formas perfeitas. Bastante semelhante ao platonismo.

De acordo com o idealismo alemão, como que se alcança o conhecimento pleno?

De acordo com Kant, os conceitos norteiam aquilo que recebemos como dados da experiência prática. Dessa forma, temos uma realidade ambivalente, ou seja, que carrega ambos os valores, e que precisa duplamente dos dois elementos para que o conhecimento seja formado. Além disso, Kant também determinou a relação entre sujeito cognoscente e objeto conhecido, que resulta no conhecimento. Anteriormente, Descartes já havia enunciado essa relação e a separação de sujeito e objeto, porém a inovação de Kant, a sua “revolução copernicana”, foi conhecida como a constatação de que nós, enquanto psicologicamente subjetivos, podemos “conhecer” o mundo de diferentes maneiras por diferentes perspectivas, uma vez que a experiência pode mudar de uma pessoa para outra.

Quem foi Immanuel Kant?

Immanuel Kant foi amplamente conhecido por ter formulado o que ele denominou ser uma “revolução copernicana na Filosofia”. O idealismo transcendental kantiano construiu uma teia de conceitos para explicar que tanto o empirismo quanto o racionalismo não conseguiam explicar plenamente o conhecimento humano, uma vez que as duas correntes filosóficas travavam constante embate entre si, e o conhecimento pleno só seria plenamente conquistado com a união dos dois conceitos.
Para Kant, existe a coisa em si (objeto estudado) e o conceito metafisico deste, sendo a nossa relação com esses dois elementos estritamente pessoal e psicológica, no entanto, o conceito universal, serve de norte para o conhecimento pleno.

Quem foi Johann Fichte?

Fichte foi considerado o fundador do idealismo moderno, baseando-se na filosofia kantiana como ponto de partida e para solucionar questões que, segundo ele, Kant não tinha demonstrado ou exposto de forma clara.
Fichte buscou construir um sistema para tornar a filosofia uma ciência precisa e que surgisse de um princípio único e superior, esse sistema o autor chama de doutrina da ciência, onde se busca unificar as três Críticas de Kant.
Fichte também elaborou que quando alguém escolhe uma determinada forma de filosofar, este também está dizendo que aquela é a sua forma de ser como homem, pois de acordo com o pensador, a filosofia não é algo inativa, e sim viva e animada pelo espírito do filósofo.

Quem foi Friedrich Schelling?

Friedrich Wilhelm Joseph Schelling foi um dos principais representantes do idealismo alemão. A carreira de Schelling foi marcada pela constante busca de um sistema que permitiria conciliar a natureza e o espírito humano com o Absoluto, explorando as fronteiras entre arte, filosofia e ciência.
Schelling acreditava que a natureza é tão real e tem a mesma relevância que o indivíduo, e afirmava também que os objetos da natureza e sua objetividade, é que dá à nossa consciência o substrato, a matéria que iremos reproduzir.

Quem foi Friedrich Hegel?

Friedrich Hegel afirmava que a consciência deveria passar por uma série de desenvolvimentos para superar as contradições percebidas em conceitos que seriam aparentemente opostos. O pensador buscou uma interpretação racional da multiplicidade sensível, tentando enxergar no finito o que havia de absoluto.
Hegel desenvolveu o que foi chamado de idealismo absoluto, que foi utilizado como base para várias áreas do conhecimento como a política, a psicologia, a arte, a religião e a filosofia. Em sua teoria, afirma que quaisquer contradições e dialéticas podem ser resolvidas com a criação de um modelo que pode refletir no indivíduo e no Estado.

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais para ficar por dentro de tudo!

Deixe um comentário