Livros ENEM 2023: Os Principais Títulos que Você Deve Estudar

Uma das disciplinas mais importantes nos processos seletivos para universidades é a literatura. Apesar do ENEM (site oficial) não listar diretamente as obras que serão mencionadas ou cobradas em sua prova, os especialistas e professores identificaram a necessidade dos alunos saberem quais os principais livros cobrados no ENEM 2023 e se preparar para a prova lendo eles. 

Além de estudar e se preparar para com essas dicas para Enem, melhorar suas técnicas de redação do Enem, aprimorar seus conhecimentos nos diversos gêneros literários, você também vai apreciar uma boa história e aproveitar para dar uma pausa no seu ciclo de estudos.

Veja aqui a lista dos principais livros cobrados no ENEM 2022 para conseguir garantir a nota que você precisa. Se você ficar com dúvidas, é só deixar aí nos comentários.

Os mais Cobrados Livros ENEM

No ENEM, é comum que haja a cobrança de obras literárias clássicas da literatura brasileira e mundial. Essas obras são escolhidas para estimular a interpretação, análise e reflexão crítica dos estudantes.

Os livros indicados geralmente abordam temas relevantes como sociedade, política, questões sociais e humanas. Eles também apresentam estilos literários variados, proporcionando uma ampla gama de experiências de leitura.

Ao estudar para o ENEM, é recomendado que os candidatos leiam essas obras, compreendam seus enredos, personagens e contexto histórico-cultural. Além disso, é importante fazer anotações, analisar os aspectos literários e refletir sobre as mensagens transmitidas pelos livros.

Dessa forma, a leitura das obras indicadas ajuda a desenvolver habilidades de interpretação textual, ampliar o repertório cultural e aprimorar a capacidade de análise crítica, aspectos essenciais para o sucesso no ENEM. Embora não tenhamos exatamente a lista de livros que serão cobrados, alguns dos principais livros da literatura brasileira podem ser citados nas perguntas. Veja alguns dos prováveis livros Enem 2023:

Deixe seu contato e embarque na jornada rumo ao sucesso. Juntos, vamos conquistar grandes resultados! Preencha o formulário agora e faça parte da equipe vencedora!

Vidas Secas (1938)

O livro foi publicado em 1938, durante a segunda fase do Modernismo brasileiro, conhecida como “Regionalismo de 1930”.

Nessa fase, os escritores exploraram temas relacionados à realidade social e cultural do país, retratando a vida e as dificuldades enfrentadas pelo povo brasileiro, como é o caso da obra “Vidas Secas”, que aborda a seca e as condições de vida no sertão nordestino.

O livro é considerado um marco na literatura brasileira e na representação do realismo regionalista.

Livros enem - enem, estudos, exame nacional do ensino médio, inep, livros, ministério da educação, prouni, sisu - livros enem 2023: os principais títulos que você deve estudar - vidassecas2 - dicas de estudo & redação, língua portuguesa, literatura
Vidas Secas (1938)

Vidas Secas é um influente e importante romance do escritor brasileiro Graciliano Ramos, escrito entre 1937 e 1938, publicado originalmente em 1938 pela antológica Livraria José Olympio Editora, hoje editado pela Editora Record, e considerado por muitos como a maior obra do autor

Hora da Estrela (1977)

Hora da estrela (1977)
Hora da Estrela (1977)

“A Hora da Estrela”, escrito por Clarice Lispector, pertence ao período literário conhecido como “Pós-Modernismo” ou “Literatura Contemporânea”. O livro foi publicado em 1977, já no contexto da literatura brasileira pós-1960.

Nessa época, surgiram novas abordagens estéticas e temáticas na literatura brasileira, rompendo com as estruturas tradicionais e explorando questões existenciais, subjetivas e introspectivas.

É considerado uma das obras mais representativas desse período, apresentando uma narrativa fragmentada e reflexiva, explorando a condição humana, a solidão e a marginalidade social.

A Hora da Estrela é um romance literário da escritora brasileira Clarice Lispector. O romance narra a história da datilógrafa alagoana, Macabéa, que migra para o Rio de Janeiro, tendo sua rotina narrada por um escritor fictício chamado Rodrigo S.M.

Quarto de Despejo (1960)

Quarto de despejo: Diário de uma favelada é um livro escrito por Carolina Maria de Jesus e foi publicado no ano de 1960. O livro é um diário autobiográfico que relata a vida da própria Carolina Maria de Jesus, uma mulher negra e moradora de uma favela em São Paulo. A obra aborda de forma crua e realista a pobreza, a fome, a discriminação racial e as dificuldades enfrentadas por Carolina e sua comunidade.

“Quarto de Despejo” é considerado um marco na literatura brasileira por sua autenticidade e denúncia social, representando uma voz marginalizada e mostrando a realidade das camadas mais vulneráveis da sociedade.

Embora não se enquadre em um período literário formalmente estabelecido, a obra é uma importante contribuição para a literatura marginal.

Quarto de despejo (1960)
Quarto de Despejo (1960)

A “Literatura Marginal” caracterizada pela produção de obras literárias por escritores que vivem à margem da sociedade, geralmente em condições de vulnerabilidade social e econômica e é uma forte representação das vozes e vivências das periferias brasileiras.

O cortiço (1890)

O cortiço (1890)
O cortiço (1890)

O Cortiço é um romance naturalista do brasileiro Aluísio Azevedo publicado em 1890 que denuncia a exploração e as péssimas condições de vida dos moradores das estalagens ou dos cortiços cariocas do final do século XIX.

O livro pertence ao período literário conhecido como “Naturalismo“. Publicado em 1890, o livro faz parte do movimento literário que teve grande destaque no final do século XIX e início do século XX no Brasil. A obra aborda a luta pela sobrevivência, a miséria, as paixões e os conflitos sociais, buscando retratar a realidade brasileira da época.

Considerado um marco do Naturalismo no Brasil, “O Cortiço” apresenta uma visão crítica da sociedade e da condição humana, explorando as forças instintivas e os aspectos sociais que influenciam as vidas dos personagens.

A carteira (1884)

A carteira foi publicado por Machado de Assis de forma avulsa, depois no jornal A Estação, em 1884.

“A Carteira” aborda a história de Honório, um homem de meia-idade que encontra uma carteira perdida e se vê diante de um dilema moral entre quitar uma dívida ou manter a consciência tranquila.

O conto explora as características do Realismo, como a observação minuciosa da sociedade, as nuances psicológicas dos personagens e a reflexão sobre questões éticas e morais. Assim, “A Carteira” se insere no contexto do Realismo brasileiro, contribuindo para a representação fiel da realidade e para a análise crítica dos comportamentos humanos.

A carteira (1884)
A carteira (1884)

A cartomante (1884)

A cartomante (1884)
A cartomante (1884)

A Cartomante é um conto do escritor brasileiro Machado de Assis, que foi publicado originalmente na Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro, em 28 de novembro de 1884.

Posteriormente, foi incluído no livro Várias Histórias, publicado em 1896, e em Contos: Uma Antologia. O conto aborda temas como o amor, o destino, a traição e a moralidade. Machado de Assis utiliza sua habilidade narrativa para explorar a complexidade dos sentimentos humanos e as contradições morais dos personagens. A

“A Cartomante” explora a história em torno de uma consulta à cartomante por parte de um homem e sua esposa, revelando os desdobramentos que resultam desse encontro. O conto apresenta características típicas do Realismo, como a análise psicológica dos personagens, as tensões emocionais e a reflexão sobre a moral e a conduta humana.

O ateneu (1888)

O Ateneu é um romance do escritor brasileiro Raul Pompeia, considerado como o único exemplar de romance impressionista na literatura brasileira. Publicado em 1888, o livro é considerado um dos principais romances do Realismo no Brasil.

A história se passa em um colégio interno chamado Ateneu, onde o protagonista Sérgio narra suas experiências e vivências durante sua estadia na instituição. O livro aborda temas como a formação do caráter, as relações de poder, a descoberta da sexualidade e as tensões sociais.

“O Ateneu” apresenta uma narrativa minuciosa e detalhada, com uma prosa realista que descreve com precisão os ambientes, as relações entre os personagens e as reflexões do protagonista. Raul Pompeia retrata de forma crítica a educação rígida e opressora, assim como as contradições e hipocrisias presentes na sociedade da época.

O ateneu (1888)
O Ateneu (1888)

Através da trajetória de Sérgio, o leitor é confrontado com a visão realista da vida no colégio, revelando os aspectos negativos e as influências que moldam a personalidade e as escolhas dos indivíduos. “O Ateneu” é uma obra que nos convida a refletir sobre a formação do caráter e os desafios enfrentados no processo de amadurecimento.

Gabriela, Cravo e Canela (1958)

Gabriela, Cravo e Canela é um dos mais célebres romances do escritor brasileiro Jorge Amado, publicado em 1958. O livro pertence ao período literário conhecido como “Regionalismo Modernista” e é um dos mais populares e aclamados romances do autor.

Gabriela, cravo e canela (1958)
Gabriela, Cravo e Canela (1958)

A história se passa na cidade fictícia de Ilhéus, na Bahia, durante os anos 1920. O enredo gira em torno de Gabriela, uma jovem mulata sedutora e sensual, e de Nacib, o dono do bar Vesúvio, que se apaixona por ela. A trama aborda temas como amor, poder, política e o conflito entre tradição e modernidade.

Jorge Amado retrata de forma vívida o ambiente e a cultura da região, destacando elementos como a culinária, as festas populares e as relações sociais. O livro apresenta personagens marcantes, diálogos divertidos e uma narrativa envolvente, repleta de cores, cheiros e sabores.

“Gabriela, Cravo e Canela” destaca-se pela abordagem dos contrastes sociais, das diferenças culturais e das relações de poder na sociedade brasileira da época. O romance combina elementos realistas e pitorescos com uma escrita acessível e cativante, proporcionando uma leitura prazerosa e uma imersão na cultura e nas tradições do nordeste brasileiro.

Grande Sertão Veredas (1956)

Grande Sertão: Veredas é um romance experimental modernista escrito pelo autor brasileiro João Guimarães Rosa e publicado pela Livraria José Olympio Editora, em 1956. Tanto a arte da capa como as ilustrações da primeira edição de Grande sertão: Veredas são de autoria de Poty Lazzarotto.

A história se passa no sertão de Minas Gerais, e o narrador é um jagunço chamado Riobaldo. A narrativa é complexa e densa, explorando temas como a vida no sertão, a violência, a religiosidade popular e as questões existenciais.

O enredo gira em torno das aventuras de Riobaldo, suas reflexões filosóficas e sua relação com o jagunço Diadorim, que se torna seu grande amigo e paixão. O autor cria um universo literário rico, utilizando recursos como o neologismo, as expressões regionais e a oralidade para retratar a complexidade da vida no sertão e as nuances da mente humana.

Grande sertão veredas (1956)
Grande Sertão Veredas (1956)

O livro aborda questões universais, como a busca pelo sentido da existência, o confronto entre o bem e o mal e a luta pela sobrevivência. Guimarães Rosa explora a profundidade psicológica dos personagens e as dualidades da alma humana, desafiando os limites da linguagem e da narrativa.

Além desses livros, outros livros importantes para estudar no Enem são:

LivroAutor
“Memórias Póstumas de Brás Cubas”Machado de Assis
“Dom Casmurro”Machado de Assis
“Iracema”José de Alencar
“Claro Enigma”Carlos Drummond de Andrade
“Mayombe”Pepetela
“O Seminarista”Rubem Fonseca
“O Alienista”Machado de Assis
“Capitães da Areia”Jorge Amado
“O Auto da Compadecida”Ariano Suassuna
“O Pagador de Promessas”Dias Gomes

FAQ – Perguntas frequentes

Quais são os livros cobrados no ENEM?

Alguns livros frequentemente mencionados são “Memórias Póstumas de Brás Cubas” e “Dom Casmurro” de Machado de Assis, “Iracema” de José de Alencar, entre outros, como por exemplo:
Vidas Secas;
Hora da Estrela;
Quarto de Despejo;
O cortiço;
A carteira;
A cartomante;
O ateneu;
Gabriela, Cravo e Canela;
Grande Sertão Veredas.

É necessário ler os livros Enem?

Não, mas é recomendável conhecer ao menos alguns deles, pois podem ser referenciados em questões de literatura. Foque em obras que sejam relevantes para mais de um período literário, como “Memórias Póstumas de Brás Cubas” e “Dom Casmurro”, que abrangem o Realismo e o Machado de Assis.

Posso utilizar resumos para estudar?

Sim, resumos, adaptações e análises críticas podem ser úteis para compreender as obras, mas é recomendável também ler trechos selecionados. Ler os livros indicados ajuda a desenvolver habilidades de interpretação de texto, compreensão de ideias e análise literária, que podem ser úteis nas questões do Enem.

Quais as principais escolas literárias caem no Enem?

As principais escolas literárias que costumam ser cobradas no Enem são:
Arcadismo (Neoclassicismo): Valorização da razão, equilíbrio e simplicidade na literatura.
Romantismo: Ênfase nos sentimentos, imaginação e subjetividade.
Realismo/Naturalismo: Retrato objetivo da realidade, crítica social e cientificismo.
Parnasianismo: Valorização da forma e da linguagem poética, uso de métrica e rima.
Modernismo: Rompimento com as convenções literárias, valorização do nacionalismo e da experimentação.

Fale conosco nos comentários e diga oque achou dessa matéria e aproveite para ler mais notícias e estudar, como por exemplo, sobre o que é Literatura, no nosso site.

Deixe um comentário