Já faz um tempo que a norma ortográfica mudou, mas esse assunto ainda causa dúvidas em algumas pessoas, principalmente aquelas que já estão longe dos estudos a algum tempo. Então que tal entender um pouco mais sobre o assunto?

O novo acordo ortográfico foi assinado em 1990, visando a padronização da língua portuguesa nos países falantes da língua (Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, Timor Leste e São Tomé e Principe). Naquele ano, cada país estipulou um prazo próprio para se adequar a nova norma ortográfica. O Brasil tornou a nova norma ortográfica vigente em janeiro de 2016.

Mas porque isso era necessário? Objetivo é de facilitar o trânsito de documentos entre os países falantes da língua portuguesa. Com uma nova norma ortográfica não seria mais necessário criar uma tradução do português de Portugal para o português do Brasil (embora ainda haja alguns termos que possam nos causar estranheza).

Via: Super Interessante

Brasil, angola, cabo verde, guiné-bissau, moçambique, portugal, timor leste e  são tomé e principe, países que assinara a nova norma ortográfica
Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, Timor Leste e São Tomé e Principe, países que assinara a nova norma ortográfica

O que mudou na nova norma ortográfica

O alfabeto

Antes tínhamos 23 letras no alfabeto, hoje temos 26

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Antes do acordo, o K, W e Y, não faziam parte do português brasileiro. Isso englobou nomes próprios e abreviações como KM, uma vez que já eram utilizados pelos falantes da língua.

Alfabeto latino
Alfabeto latino
Via wikipédia

Acentuação

A acentuação foi o tópico que mais mudou com a norma ortográfica vigente.

  • A trema por exemplo era utilizada para palavras com tranquilidade ou cinquenta, hoje em dia, é usado apenas para palavras estrangeiras ou nomes próprios como Müller.
  • Antigamente também existiam acentos diferenciais, que só serviam para a distinção, de palavras iguais (homográficas). Escrevíamos pára (verbo) e para (preposição), atualmente ambas as palavras, mesmo com sentidos diferentes, são iguais.
  • No entanto, os acentos diferenciais usados para distinção de tempo verbal e singular e plural dos verbos permanece, como por exemplo em convém (singular) convêm (plural).
  • Acentos circunflexos desaparecem em palavras terminadas em eem (terceira pessoa do plural do presente do indicativo ou subjuntivo de creer, ver, dar, etc) e em palavras que terminam em hiato oo. Sendo assim, enjôo se tornou enjoo e crêem se tornou creem.
  • Paroxítonas com ditongos abertos (ei, oi) perdem o acento. Andróide se torna androide e alcatéia se torna alcateia.
  • Oxítonas com ditongo aberto (eu, ei, oi) continuam acentuadas. Herói, chapéu, papéis, etc.
  • Paroxítonas com I e U tônico depois do ditongo perdem o acento. Fera se torna feiura e bocava se torna bocaiuva.
  • Oxítonas terminas em I ou U seguidas ou não de s continuam acentuadas. Piauí, tuiuiú.
Acentuação é uma das coisas que mais mudaram na nova norma ortográfica
Acentuação é uma das coisas que mais mudaram na nova norma ortográfica

Hífen

O hífen também causou bastante estranheza visto que a princípio algumas palavras não tinham passaram a ter e outras tinham e agora não tem mais. Além é claro das que tinham e continuaram tendo e as que não tinham e continuaram sem. Um pouco confuso né? Mas vamos lá:

  • Palavras que possuem o prefixo terminado em vogal diferente da vogal que inicia o segundo termo não possuem hífen. Extraescolar, infraestrutura, semianalfabeto, etc.
  • Palavras em que o segundo termo começa com a letra H possuem hífen. Super-homem, anti-higiênico.
  • Palavras em que o prefixo termina em vogal e a primeira letra do segundo termo começa com R ou S não possuem hífen e as letras são duplicadas. Neo-realismo se torna neorrealismo, ultra-som se torna ultrassom, etc.
  • Palavras em que o prefixo termina em vogal e as primeira letra do segundo termo não começa com R ou S não tem hífen. Semicírculo, semideus, seminovo.
  • Palavras em que o prefixo termina com uma vogal igual a que começa o segundo termo recebem hífen. Antiinflamatório se torna anti-inflamatório, microondas se torna micro-ondas, etc.
  • Palavras em que o prefixo termina com a mesma consoante que começa o segundo termo recebem hífen. Inter-racial, super-romantico, etc.
  • Palavras em que o prefixo é RE e o segundo termo começa com E o hífen não é usado. Re-editar se torna reeditar, re-escrever se torna reescrever, etc.
  • Palavras com o prefixo CO, o hífen não será empregado, caso o segundo termo começar com a letra H, nesse caso, ele perde o H. Co-habitante se torna coabitante e co-autor se torna coautor.
O hífen é o assunto que mais causa dúvida na nova norma ortográfica
O hífen é o assunto que mais causa dúvida na nova norma ortográfica

Dicas para não esquecer a norma ortográfica vigente

A língua portuguesa já não é a mais fácil do mundo, mas segue o macete para entender exatamente como não errar com a nova norma ortográfica/norma ortográfica vigente. Gaste seu tempo estudando as silabas. A língua portuguesa é classificada pelo número de silabas em cada palavra:

  • Monossílaba (uma silaba)
  • Dissílaba (duas silabas)
  • Trissílabas (três silabas)
  • Polissílaba (quatro ou mais silabas)

Tendo isso em mente, existe ainda a classificação das silabas tônicas, que são separadas em:

  • Oxítona (silaba tônica é a última)
  • Paroxítona (silaba tônica é a penúltima)
  • Proparoxítona (silaba tônica é a antepenúltima)

Então você já pode passar para outra classificação:

  • Ditongos (encontro de duas vogais na mesma sílaba, podem ser abertos ou fechados, baseando-se na abertura da boca para falar, ou seja, ditongo aberto = boca aberta)
  • Tritongos (encontro de três vogais na mesma sílaba)
  • Hiato (encontro de duas vogais em silabas diferentes, ca-o-lho, por exemplo)

Memorizando esses conceitos fica muito mais fácil de entender a nova norma ortográfica/norma ortográfica vigente, uma vez que a definição dessas novas regras é feita com base nas silabas de cada palavra. Assim fica muito mais fácil de entender porque a paroxítonas terminadas em EI perdem o acento e quais são essas palavras.

Agora, já que falamos bastante sobre a língua portuguesa e outros países que falam português, que tal conferir assuntos sobre a história do Brasil?

Deixe um comentário