Origem do Carnaval: Das Origens a Festa na Europa e no Brasil

O Carnaval é uma tradicional festa popular que é realizada em diferentes locais do mundo, mas que chama a atenção para o Brasil. Apesar de existir a séculos Carnaval, a festa é tradicionalmente ligada ao catolicismo, uma vez que sua celebração antecede a Quaresma.

Sua origem vem de muito tempo atrás, mais especificamente na Grécia Antiga, e é celebrado de maneiras diferentes por todo o globo. Essas celebrações públicas geralmente incluem festas de rua, desfiles, bailes ou alguma outra forma de entretenimento.

A palavra Carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é “retirar a carne”, sendo relacionado ao jejum que deveria ser realizado durante a Quaresma. Mas também, é relatado ligações com a Festa da Carne, comemorada em homenagem aos deuses da religião grega. Vamos falar sobre a história e as origens do festival e, se você ficar com dúvidas, é só deixar nos comentários.

O Carnaval na Antiguidade

As origens pagãs do carnaval começaram muito antes do surgimento do cristianismo, pois era uma celebração que se destacava nos calendários de muitas culturas pagãs. Onde foi inventado o carnaval? Especula-se que a origem do carnaval, foram há cerca de 5.000 anos com os egípcios, outros especulam que foram os gregos.

Nestes lugares, havia festividades que ocorriam em torno dos ciclos da natureza e do universo. Mas, além da Grécia antiga, na Babilônia, duas festas possivelmente originaram o que conhecemos como Carnaval, pois eram celebradas popularmente e havia ainda um fator de “inversão de papéis” bastante comum no Carnaval atual.

Por exemplo, as Sacéias, era uma celebração em que um prisioneiro assumia a figura do rei por alguns dias, ele se vestia como ele, era alimentado da mesma forma e até dormia com suas esposas. Mas no final, o prisioneiro era chicoteado e depois enforcado ou empalado.

Existia também outro rito durante a celebração, no período próximo ao equinócio da primavera, onde o rei, no templo do deus babilônico Marduk (ou Marduc), perdia seus emblemas de poder e era espancado na frente da estátua do deus, afim de demonstrar a submissão do rei à divindade. Em seguida, ele novamente assumia o trono. Acredita-se que essa seja uma das origem do carnaval devido ao o caráter de subversão de papéis sociais.

Voltando a Grécia Antiga, de lá vem a associação entre o Carnaval e as orgias, os Bacanais, eram festas dionisíacas, ou seja, em homenagem ao deus grego Dionísio, o deus do vinho (em Roma, essa festa era dedicada a Baco, daí o nome). Nesse ritual, os cidadãos se entregavam aos prazeres da carne, sempre embriagados.

Ainda em Roma, existiam a Saturnália e a Lupercália. A primeira ocorria no solstício de inverno, em dezembro, e a segunda, em fevereiro, que seria o mês das divindades infernais, mas também das purificações. Tais festas duravam dias, com comidas, bebidas e danças. Os papéis sociais também eram invertidos temporariamente, com os escravos colocando-se nos locais de seus senhores, e estes colocando-se no papel de escravos.

Deixe seu contato e embarque na jornada rumo ao sucesso. Juntos, vamos conquistar grandes resultados! Preencha o formulário agora e faça parte da equipe vencedora!

Origem do Carnaval na Idade Média

Na Idade Média, o carnaval não durava apenas alguns dias, mas durava quase todo o período entre o Natal e o início da Quaresma. Era visto como uma saída para as pessoas ficarem livres de suas preocupações diárias.

Em 743 dC, o sínodo de Leptines, localizado perto de Binche, na Bélgica, escreveu sobre os excessos vistos no mês de fevereiro. Livros de cerca de 800 dC contêm muitas informações sobre como as pessoas se vestiam como travestis, ou se vestiam como animais, e como fazer isso era um pecado.

Na Espanha, San Isidoro de Sevilla reclamou em seus escritos no século VII sobre as pessoas se travestirem e irem para as ruas disfarçadas em muitos casos como o sexo oposto ou como animais, embora isso fosse um pecado.

As praticas durante os carnavais medievais europeus, era comum que homens jovens que se fantasiassem de mulheres durante algumas noites. Eles diziam ser moradores da fronteira do mundo dos vivos e dos mortos e eram convidados para comer e beber nas casas do vilarejo, era comum também que trocassem beijos com as jovens que ali moravam.

Carnaval na Europa

Carnaval na europa
Carnaval na Europa

Durante o Renascimento, nas cidades italianas, surgia a commedia dell’arte, que eram teatros improvisados. Em Florença ainda, foram criadas canções para acompanhar desfiles, que contavam com carros decorados, chamados trionfi. Em Roma e Veneza, os participantes usavam a bauta, uma capa com capuz negro que encobria ombros e cabeça, além de chapéus de três pontas e uma máscara branca.

A lógica que regia as festas da Antiguidade era a mesma para o Carnaval na Europa da Idade Média e Moderna: o mundo de cabeça para baixo. O carnaval continuou a evoluir e se tornou uma manifestação da cultura popular europeia. Algumas das tradições carnavalescas mais conhecidas, incluindo desfiles de carnaval e bailes de máscaras , foram registradas pela primeira vez na Itália medieval.

O Carnaval de Veneza foi a celebração carnavalesca mais famosa e foi curiosamente abolido por Napoleão em 1797 e só foi restaurado relativamente recentemente em 1979. As tradições do carnaval se espalharam pelo mundo com os conquistadores e colonos, com a França espalhando-o para a Nova França na América do Norte e Espanha e Portugal espalhando-o para as Américas.

Relação com Cristianismo

É comum ouvir que cristãos não devem celebrar o carnaval devido as suas raízes pagãs. Isso tem origem histórica, com o fortalecimento da Igreja Católica na Idade Média. No entanto, como a maioria das celebrações pagãs, a Igreja Católica, procurou resinificar o carnaval, criando um senso mais cristão para a festa.

O Vaticano então criou a Quaresma antes da Páscoa, impondo sua própria interpretação do jejum de 40 dias de Cristo , negando carne e prazeres terrenos nos 40 dias antes da Páscoa. Eles mudaram as celebrações dos banquetes pagãos para antes da Quaresma.

O carnaval no calendário cristão envolvia toda a comunidade e era uma grande celebração em que se consumiam ricas comidas e bebidas, bem como um momento para saciar os desejos sexuais, todos os quais deveriam ser suprimidos durante o período seguinte de jejum.

Durante a Alta Idade Média, foi criada a Quaresma — período de 40 dias antes da Páscoa caracterizado pelo jejum. Tempos depois, as festividades realizadas pelo povo foram concentradas nesse período e nomeadas carnis levale. A Igreja pretendia, dessa forma, manter uma data para as pessoas cometerem seus excessos, antes do período da severidade religiosa.

Durante a Quaresma, não eram realizadas festas ou celebrações e as pessoas abstinham-se de comer carne, laticínios, gordura e açúcar. A maioria desses alimentos não estava disponível de qualquer maneira durante esse período devido à escassez de inverno. O propósito da Quaresma era comemorar Jesus, mas também um tempo para refletir sobre os valores cristãos. Para aqueles que se converteram ao cristianismo, foi um tempo de preparação para o batismo na Páscoa.

Carnaval nas Américas

O carnaval não se espalhou apenas pela Europa, mas também chegou às Américas, levado pelos conquistadores e colonos europeus. Os europeus também descobriram que os nativos também tinham suas próprias celebrações comunitárias pagãs cheias de música e dança. É realizado em quase todos os países da América do Sul como Argentina, Brasil, Peru, Uruguai e Bolívia.

Muitas dessas celebrações também eram sobre adorar seus deuses e a terra para garantir uma boa colheita para o ano seguinte. Mais uma vez, a igreja católica ao invés de forçar os nativos a desistirem de suas celebrações, apenas deixa-os celebrá-las com significados cristãos. Muitas celebrações ainda ocorrem hoje e são uma das principais festas em países latino-americanos, como no Brasil.

Carnaval no Brasil

A história da festa no Brasil começou no período colonial. Uma das primeiras manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma brincadeira de origem portuguesa que, na colônia, era praticada pelos escravos. O entrudo foi proibido em 1841, mas continuou até meados do século XX.

Depois surgiram os cordões e ranchos, as festas de salão, os corsos, e as escolas de samba. Afoxés, frevos e maracatus também passaram a fazer parte da tradição cultural carnavalesca brasileira. Marchinhas, sambas e outros gêneros musicais foram incorporados à maior manifestação cultural do Brasil.

Carnaval no brasil
Carnaval no Brasil

Inti Raymi (Festival do Sol) no Peru

Todos os anos esta cidade celebra o Inti Raymi, o mais famoso festival pré-colombiano, também conhecido como o festival Inca do Sol. E fazem-no com cortejos que percorrem toda a cidade, acompanhados de música vibrante, danças, flores, gente a varrer espíritos malignos e muitas outras surpresas únicas!

O Sol era o deus mais reverenciado do Inca e desde 1400 este festival foi realizado para homenageá-lo, sacrificando animais em seu nome. Hoje em dia já não se fazem sacrifícios, embora haja um ator escolhido para representar o Imperador Inca e toda a cerimónia termina com uma simulação de um Sacrifício de Lhama no topo da colina de Sacsayhuaman, onde acontecem os principais eventos.

Atualmente, um grande número de festas de rua, danças, procissões e festas são realizadas em Cusco e arredores durante a última semana de junho, tornando-o o evento cultural mais popular do país.

Dia dos Mortos, México

A festa mais característica do México é o “Dia de los Muertos”, que acontece nos dias 1 e 2 de novembro, abrangendo duas celebrações: o Dia de Todos os Santos (para homenagear as pessoas que morreram quando crianças) e o Dia de Finados (para homenagear as almas que morreram em idade adulta.

Trailer de Festa no Céu

É uma celebração cultural que ficou popularizado em filmes como “Viva! A Vida é uma Festa” e Festa no Céu”. O clima é animado e otimista e, apesar de ser um festival fúnebre, é muito difícil encontrar um festival mais colorido e alegre na América Latina!

As pessoas se reunindo nos cemitérios trazendo velas, pão dos mortos, cerveja, tequila, coisas para decorar os túmulos, queimando incenso e pintados com a tradicional pintura de caveiras coloridas!

Semana Santa em Antígua, Guatemala

Na Guatemala, por exemplo, eles realizam um evento de uma semana na cidade colonial de Antígua, com procissões, confecção de tapetes e vigílias à luz de velas. Durante a semana os moradores enfeitam carros alegóricos com flores e esculturas de Cristo na Cruz.

As festas ocorrem colocando lindos tapetes feitos de serragem nas ruas, cobertos com agulhas de pinheiro, frutas e legumes! Na sexta-feira as comemorações atingem o pico quando as ruas se enchem de espectadores, música ao vivo e fantasias!

Festival da Colheita do Vinho em Mendoza, Argentina

O vinho Malbec argentino é um dos melhores que existe, então viajar para Mendoza, de onde vem a bebida e desfrutar de seu sabor cercado pelas montanhas já é uma bela viagem por si só…. mas se conseguir viajar no primeiro fim de semana de março poderá participar da Festa das Vindimas, o que é melhor ainda!

A Vindima é motivo de festa para que se preparem para cantorias, desfiles, concertos e um ambiente carnavalesco que termina com um espetáculo ao ar livre com música, dança e fogo de artifício! Tudo termina com a escolha da Rainha da Colheita do ano!

Influências Africanas nas Tradições Carnavalescas

Foram os africanos que mais contribuíram para muitas tradições carnavalescas modernas . Os africanos foram trazidos para as Américas, originalmente como homens livres e depois como escravos. Muitas tradições africanas foram fundidas com as celebrações europeias.

Eles contribuíram com as cores vivas que você vê em muitas histórias de fantasias de carnaval , bem como com os sons e a música animados que são as principais características do carnaval nas Américas . Penas e outros objetos naturais eram usados ​​para criar fantasias e máscaras por causa da crença de que traziam forças espirituais para o usuário. Portanto, hoje muitos trajes ainda apresentam penas.

Uma tradição africana era as pessoas desfilando pela aldeia, circulando-a usando máscaras e trajes de cores vivas , enquanto cantavam e dançavam para trazer sorte à aldeia. Para a aldeia, ter sorte significava espantar os espíritos de parentes mortos furiosos, e é por isso que muitos desfiles de carnaval apresentam símbolos da morte.

Outras tradições incluem andar sobre pernas de pau, carregar marionetes e lutar em batalhas simuladas com bastões. Mas o mais importante foram os africanos que trouxeram instrumentos musicais animados, ritmos de dança e estilos de canto.

A Igreja incentivou as celebrações nas Américas desde que tivessem uma fachada religiosa, porque era uma forma de libertar os escravos e de pressionar os pobres reprimidos de forma não ameaçadora. O primeiro desfile de carnaval moderno ocorreu em Colônia em 1823 e outras cidades começaram a desenvolver suas próprias tradições e clientes se divorciando de suas origens religiosas.

FAQ Rápido

Qual é a história por trás do Carnaval?

Segundo alguns, o carnaval era originalmente um festival de primavera grego em homenagem ao deus do vinho, Dionísio. Os romanos adotaram a mesma tradição com uma festa em homenagem a Baco, o deus romano do vinho, e a Saturnália. Neste dia, senhores e escravos trocavam de roupa em meio a um dia cheio de bebedeira.

Qual é o principal objetivo do Carnaval?

O Carnaval é uma festa que dura alguns dias, geralmente pouco antes da Quaresma, em fevereiro ou março. Como tradicionalmente muitas pessoas fazem jejum durante a Quaresma, abrindo mão de carne, açúcar ou outros alimentos e bebidas, o carnaval é uma oportunidade de saborear essas comidas pela última vez.

Qual é o Carnaval mais antigo?

Talvez o carnaval mais antigo existente, Kukeri da Europa Oriental remonta aos tempos pagãos. Celebrada na Bulgária, é uma das tradições mais antigas da região que pode ter surgido há mais de 6.000 anos e é mantida até hoje! As festividades são realizadas entre o Ano Novo e a Quaresma.

Onde é realizado o carnaval mais famoso?

O maior e melhor Carnaval do Mundo é celebrado no Rio de Janeiro, Brasil. É a maior celebração do Carnaval do mundo, atraindo milhões de participantes para uma semana de diversão explosiva, extravagante e cheia de samba.

Fale conosco nos comentários e diga oque achou dessa matéria e aproveite para ler mais notícias e estudar, como por exemplo, sobre a Guerra Fria, no nosso site.

Deixe um comentário