Entenda a teoria e vida de Platão 428 a.C.-348 a.C

O filósofo Platão foi um discípulo de Sócrates e também um dos mais importantes filósofos da Grécia Antiga. Platão se destacou por sua teoria idealista, além de ter deixado em escrito a maioria dos textos conhecidos hoje sobre Sócrates.

O a teoria platônica consiste, basicamente, na separação do conhecimento sensível, sendo este inferior e enganoso, obtido pelos sentidos do corpo, e conhecimento inteligível, superior e ideal, que acessaria a verdade sobre as coisas.

Para o pensador, o conhecimento inteligível seria aquele que permitiria o nosso acesso ao ser e à essência de algo, que seria imutável, ao contrário da aparência, que pode enganar. O conhecimento inteligível estaria no Mundo das Ideias e das Formas, enquanto o conhecimento sensível estaria em nossa realidade material.

Esse local perfeito onde seriamos capazes de encontrar todas as essências do ser e das criações humanas, seria a realidade intelectual, verdadeira, eterna e imutável. Ele poderia ser acessado apenas por meio da capacidade racional do ser humano. Já o mundo sensível, onde vivemos, trata-se de uma realidade sensível, ilusória e enganadora.

Confira assuntos semelhantes aqui.

Platão destacou-se por ter lançado a sua teoria idealista e por ter deixado escrita a maioria dos textos conhecidos hoje sobre sócrates.
Platão destacou-se por ter lançado a sua teoria idealista e por ter deixado escrita a maioria dos textos conhecidos hoje sobre Sócrates

Principais conceitos

Dialética

A dialética platônica era uma técnica de extração de uma conclusão, chamada de síntese com base em duas ideias opostas, sendo elas a tese e a antítese.

Idealismo

O conceito de ideal do platonismo toma base na noção de que o conhecimento do Mundo das Ideias é o único conhecimento verdadeiro, uma vez que este é obtido pelo intelecto. Desta forma, o nosso conhecimento sobre a matéria, que é obtido pelos sentidos, sempre será enganoso e deturpado de alguma forma. Conhecimentos conquistados através do Mundo Sensível são meras ilusões causadas por nossos órgãos do sentido, e portanto, são conhecimentos inferiores.

Mundo das Ideais, onde estaria guardado todo o conhecimento pleno, se define por uma estância metafísica racional que só poderia ser alcançada por nosso intelecto.

Política

Para o pensador, existem três tipos de caráter que moldam as almas das pessoas. Cada tipo seria encarregado de ocupar o um respectivo cargo na sociedade, a fim de formar uma organização perfeita da pólis. São estes:

  • Caráter concupiscível: ligado à liberdade e aos desejos, caráter de pessoas com facilidade ao trabalho manual e artesanal
  • Caráter irascível: caráter dominado por impulsos de raiva, essas pessoas estariam aptas ao serviço militar
  • Caráter racional: mais próximo da racionalidade e da justiça, é o caráter das pessoas que o têm a capacidade de governar e liderar a política
Existe uma estátua de sócrates e uma de platão na entrada da academia de athenas devido a importância dos pensadores
Existe uma estátua de Sócrates e uma de Platão na entrada da Academia de Athenas devido a importância dos pensadores

Relação entre Platão, Sócrates e Aristóteles

Platão foi discípulo de Sócrates. As ideias socráticas marcaram a trajetória intelectual do pensador, que, por sua vez, foi mestre de Aristóteles. Aristóteles foi fortemente influenciado por seu mentor, mas não se manteve na mesma linha de pensamento, tendo modificado e discordado de muitas das teorias platônicas.

Platão era mestre de aristóteles e discípulo de sócrates
Platão era mestre de Aristóteles e discípulo de Sócrates

A República

A obra platônica “A República” foi escrita por volta de 380 a.C., dividida em dez livros, todos escritos na forma de diálogos em que, seu mentor, Sócrates ocupa o lugar de personagem principal. É por meio desses diálogos, que Platão apresenta suas teses sobre a política e o que ele considera como justiça.

É nessa obra, presente no livro VII, em que o pensador apresenta a Alegoria da Caverna, um dos maiores símbolos do pensamento platônico. Em diálogo com Sócrates apresenta aos interlocutores uma história alegórica para explicar a superioridade do conhecimento advindo do Mundo das Ideias e do raciocínio intelectual.

Alegoria da Caverna

Na Alegoria da Caverna, também chamada de Mito da Caverna, Sócrates, enquanto personagem da obra platônica, diz para Glauco, seu irmão, imaginar uma espécie de caverna subterrânea onde os homens vivessem como prisioneiros desde os primórdios. Nesta caverna existia uma parede onde os prisioneiros foram acorrentados de modo que só pudessem ver o que se passa na parede paralela.

Atrás dos prisioneiros, existia uma chama acesa por qual outras pessoas passam, gesticulam e movimentam objetos, como uma espécie de teatro de sobras projetadas parede que os prisioneiros conseguem ver. As sombras e ecos das vozes são projeções distorcidas das imagens e dos sons reais. E por viverem toda a sua vida ali, acorrentados, tudo que os prisioneiros sabem do mundo é o que era reproduzido na parede.

Então Sócrates fala para Glauco imaginar que um prisioneiro foi liberto. Esse prisioneiro saiu da caverna, teve seu primeiro contato com a luz solar que ofuscou a sua visão gerando um grande incômodo. No entanto, após se acostumar com a luz, ele pôde observar toda a natureza e tudo o que existia havia fora da caverna.

O prisioneiro liberto poderia, então tentar retornar para a caverna e libertar os seus companheiros para que estes também conhecessem a realidade. Porém, ao imaginar as possibilidades, ele poderia até ser morto por seus colegas, que o julgariam como louco. Essa metáfora é utilizada por Platão para explicar a hierarquia dos conhecimentos e como essa hierarquia está relacionada à política da cidade. Confira as explicações dos elementos metafóricos:

  • Prisioneiros: pessoas comuns enganadas pelo conhecimento sensível
  • Caverna: fonte de engano e da dúvida, é nossos sentidos que nos aprisionam no Mundo Sensível
  • Sombras e ecos: as sombras que os prisioneiros veem e os ecos que eles escutam são as opiniões e os preconceitos que trazemos do senso comum e da vida costumeira, conhecimentos errados que adquirimos através dos sentidos de nosso corpo e da vida cotidiana
  • Sair da caverna: busca pelo conhecimento inteligível
  • A luz do Sol: o conhecimento inteligível, a razão e a filosofia

FAQ – Perguntas frequentes

Quem foi?

O filósofo Platão foi um discípulo de Sócrates e também um dos mais importantes filósofos da Grécia Antiga. Platão se destacou por sua teoria idealista, além de ter deixado em escrito a maioria dos textos conhecidos hoje sobre Sócrates.

Qual sua teoria?

Para o pensador, o conhecimento inteligível seria aquele que permitiria o nosso acesso ao ser e à essência de algo, que seria imutável, ao contrário da aparência, que pode enganar. O conhecimento inteligível estaria no Mundo das Ideias e das Formas, enquanto o conhecimento sensível estaria em nossa realidade material.

Quais seus conceitos?

– A dialética platônica era uma técnica de extração de uma conclusão, chamada de síntese com base em duas ideias opostas, sendo elas a tese e a antítese.
– O conceito de ideal do platonismo toma base na noção de que o conhecimento do Mundo das Ideias é o único conhecimento verdadeiro, uma vez que este é obtido pelo intelecto.
– Para o pensador, existem três tipos de caráter que moldam as almas das pessoas. Cada tipo seria encarregado de ocupar o um respectivo cargo na sociedade, a fim de formar uma organização perfeita da pólis.

Qual a relação entre Platão, Sócrates e Aristóteles?

Platão foi discípulo de Sócrates. As ideias socráticas marcaram a trajetória intelectual do pensador, que, por sua vez, foi mestre de Aristóteles. Aristóteles foi fortemente influenciado por seu mentor, mas não se manteve na mesma linha de pensamento, tendo modificado e discordado de muitas das teorias platônicas.

O que é “A República?”

A obra platônica “A República” foi escrita por volta de 380 a.C., dividida em dez livros, todos escritos na forma de diálogos em que, seu mentor, Sócrates ocupa o lugar de personagem principal. É por meio desses diálogos, que Platão apresenta suas teses sobre a política e o que ele considera como justiça.

O que é a Alegoria da Caverna?

A Alegoria da Caverna também conhecida como Mito da Caverna ou prisioneiros da caverna, é uma alegoria de intenção filósofo-pedagógica, escrita pelo filósofo.

O que representa a Alegoria da Caverna?

. Essa metáfora é utilizada por Platão para explicar a hierarquia dos conhecimentos e como essa hierarquia está relacionada à política da cidade.

Se gostou do conteúdo não se esqueça de compartilhar e nos seguir nas redes sociais.

Deixe um comentário