Realismo e Naturalismo: Semelhanças entre as Escolas Literárias

O Realismo e Naturalismo são dois movimentos literários separados, mas intimamente ligados, que começaram no século XIX, após o fim da Revolução Francesa.

O realismo e o naturalismo na literatura nasceram como reações ao movimento do Romantismo que geralmente era escrita em um estilo melodramático e envolvia o sobrenatural, escrito como escapismo para o leitor, em vez de retratar elementos com os quais eles poderiam se identificar.

Em oposição a isso, o realismo retrata personagens e cenários como eles realmente existiram, enquanto o naturalismo se concentra nos aspectos biológicos, sociais e econômicos, inspirados por autores como Charles Darwin.

Ambos, cada um a sua forma, procuram representar a vida real. Vamos falar sobre os movimentos Naturalista e Realista e, se você ficar com alguma dúvida, é só deixar nos comentários.

A Oposição ao Romantismo

Na literatura romântica, os personagens recebiam qualidades heroicas, então eles não representavam pessoas reais. As personagens femininas tendiam a ser colocadas em pedestais, enquanto os personagens masculinos eram geralmente taciturnos e mal-humorados, às vezes obsessivos, mas muitas vezes eram obrigados a “salvar o dia”. Os cenários costumavam ser pastorais e o mundo natural era fortemente romantizado.

A outra característica notável da literatura romântica era que a grande maioria dos personagens retratados eram de origem aristocrática ou de classe alta. Alguns exemplos de literatura romântica e poesia incluem:

  • “Frankenstein” de Mary Shelley;
  • “O Morro dos Ventos Uivantes” de Emily Bronte;
  • A poesia de Lord Byron, William Wordsworth e Edgar Allan Poe;

O movimento do realismo na literatura e na arte começou na França do século XIX. Após a Revolução Francesa, não havia mais apetite por histórias sobre a aristocracia, pois a França havia acabado com sua família real em favor da república. Este foi um período de intensa mudança social e política em toda a Europa – a Revolução Industrial viu o nascimento da nova classe média e a indústria mudou muito a paisagem, bem como os tipos de trabalho que as pessoas faziam.

O realismo literário foi uma resposta a todas essas mudanças. Os leitores queriam ver suas próprias realidades refletidas mais nas histórias que liam, e os escritores viam uma oportunidade de comentar questões sociais e políticas em seus livros.

Quais são as características do Realismo e Naturalismo

O Realismo baseava-se na ideia de que escritores e artistas devem se concentrar no aqui e agora. “Il fautêtre de son temps” — “é preciso ser do seu tempo”, era a frase corrente que resumia sucintamente essa ideia central do movimento. O realismo foi tanto uma consequência quanto uma forma de rebelião contra o romantismo. Embora rejeitasse muito da arte romântica tardia por seu tema histórico, exótico ou imaginário, ela abraçava um dos principais princípios do romantismo inicial, que sustentava que a arte deveria estar envolvida com o presente.

Já o Naturalismo, como o realismo, visava a representação verdadeira da vida cotidiana, preferencialmente das classes mais baixas e especialmente do campesinato, diferia do realismo em alguns aspectos importantes. Em primeiro lugar, faltava-lhe o tom político das obras dos realistas que, especialmente no início de suas carreiras, faziam questão de transmitir um sentimento de preocupação social.

Em vez disso, os artistas naturalistas procuravam capturar o verdadeiro caráter das cenas que escolhiam pintar, retratando-as com a precisão científica e o distanciamento do etnógrafo. Em segundo lugar, enquanto os pintores realistas se baseavam fortemente na arte do passado e muitas vezes reconheciam essa prática, os naturalistas valorizavam a observação direta da realidade.

Refletindo o mundo na arte

O realismo tratava de retratar a vida como ela realmente era, de uma maneira que os leitores pudessem se identificar. Isso significava que, em vez de se concentrar em personagens aristocráticos, a ficção realista se concentrava mais nas classes médias, representando as experiências vividas pelas pessoas que liam os romances.

Respigadoras
As Respigadoras, de Jean-François Millet (fonte: Wikipédia)

Embora a maioria dos romances realistas fosse narrada do ponto de vista de um personagem de classe média, muitas dessas histórias também apresentavam personagens pobres e da classe trabalhadora e também comentavam suas experiências.

Os personagens não eram heróis – eram seres humanos imperfeitos que muitas vezes tinham que passar por situações desconfortáveis ou angustiantes, assim como na vida real. Até o diálogo deles foi representado de forma realista, com os dialetos regionais sendo explicados.

As configurações também haviam mudado. O mundo natural não era mais romantizado, e os cenários urbanos frequentemente se transformavam em romances à medida que novas vilas e cidades cresciam. A nova paisagem industrial frequentemente aparece na ficção realista e é usada como um meio de comentar as experiências vividas pelos personagens.

Abandono do sobrenatural e idealismo

Além disso, o sobrenatural não apareceu de forma alguma no realismo literário. As tramas eram muito baseadas em acontecimentos cotidianos, e o foco estava nos personagens e em suas complexidades. As histórias em si podem ter sido inventadas, mas o objetivo da ficção realista é que essas histórias poderiam realmente ter acontecido na vida real e estavam sendo retratadas de maneira realista.

A outra característica principal do realismo literário era que as histórias eram ambientadas na época em que estavam sendo escritas. Enquanto a literatura romântica era muitas vezes ambientada em uma versão idealizada do passado, o realismo trouxe a literatura para um cenário contemporâneo. Isso significava que seus romances seriam tão relacionáveis quanto possível para os leitores. Permitiu que os autores usassem seus romances como forma de comentar as condições sociais e políticas atuais. Então, para resumir, literatura realista:

  • Tem um cenário contemporâneo (as histórias são ambientadas no momento em que são escritas);
  • Retrata a vida como ela realmente é (personagens e cenários realistas e relacionáveis);
  • Tem um elemento de dilema moral ou ambiguidade;
  • Explora a vida das pessoas da classe média e da classe trabalhadora;
  • Frequentemente faz um comentário social ou político.

FAQ Rápido

O que é realismo e naturalismo na literatura?

“Realismo é uma maneira e método de composição pelo qual o autor descreve a vida normal, mediana, de maneira precisa e verdadeira”, enquanto “Naturalismo é uma maneira e método de composição pelo qual o autor retrata ‘a vida como ela é’ de acordo com com a teoria filosófica do determinismo”.

Quais são as características do naturalismo e do realismo?

Realismo e naturalismo são dois movimentos literários separados, mas intimamente ligados, que começaram no século XIX. O realismo retrata personagens e cenários como eles realmente existiram, enquanto o naturalismo se concentra nos aspectos biológicos, sociais e econômicos. Ambos procuram representar a vida real.

Quais são os principais temas do realismo e do naturalismo?

Romances realistas usavam temas como sociedade, classe social, mobilidade, etc. Romances naturalistas eram escritos sobre temas de violência, pobreza, corrupção, prostituição, etc.

Realismo e naturalismo são a mesma coisa na arte?

Pode-se dizer que o naturalismo é uma forma de realismo, pois o realismo tende a aparecer em ondas ao longo da história da arte. A principal diferença é que o naturalismo normalmente se refere às coisas em seu estado natural, enquanto o realismo pode se referir a qualquer coisa, desde que seja uma representação real dessa coisa.

Fale conosco nos comentários e diga oque achou dessa matéria e aproveite para ler mais notícias e matérias, como por exemplo, sobre o Romantismo, no nosso site.

Deixe um comentário