Entenda o que foi a Reforma Protestante (1517)

A Reforma Protestante foi a grande transformação religiosa da época moderna, pois rompeu a unidade do Cristianismo no Ocidente. A época foi marcada, principalmente pelo início da Idade Moderna, com a Revolução Industrial e Francesa, iluminismo, expansão marítima, etc.

O precursor do movimento foi Martinho Lutero, que fixou na porta da igreja do Castelo as 95 teses onde criticava certas práticas da Igreja Católica. Este fato é considerado estopim da reforma que mudaria para sempre o cristianismo. Além de Lutero, existiram outros líderes para a reforma protestantes em diferentes locais do mundo, dentre eles podemos citar João Calvino e o rei inglês Henrique VIII. O clero respondeu as mudanças com a contrarreforma, que buscava trazer de volta e manter os fiéis.

Roma Antiga: Entenda Monarquia, República E Império Romano (753 A.C. – 476)
Entenda O Que Foi O Iluminismo
Segunda Guerra Mundial: 1939 – 1945

A reforma protestante foi a grande transformação religiosa da época moderna, pois rompeu a unidade do cristianismo no ocidente
A Reforma Protestante foi a grande transformação religiosa da época moderna, pois rompeu a unidade do Cristianismo no Ocidente

Contexto Histórico Reforma Protestante

Com o fim do Feudalismo, iniciou-se o processo de centralização monárquica que dominava a Europa que tornou tensa a relação entre reis e Igreja.

Até aquele momento, a Igreja Católica era grande possuidora de terras, mas com o fortalecimento do absolutismo, essa prática passou a ser questionada pelos monarcas que desejavam reter estes impostos no reino.

Além da realeza, os camponeses também estavam descontente com a Igreja, devido aos altos impostos cobrados que impediam a melhora de vida da população. Por toda Europa, mosteiros e bispados possuíam imensas propriedades e viviam às custas dos trabalhadores da cidade e dos campos, o que causou um grande desgaste na confiança dos fiéis.

A crescente da burguesia e do capitalismo também estremeceu a relação da Igreja com o povo, condenava práticas como a cobrança de juros por empréstimos, e o lucro em cima de trabalhos e mercadorias.

O clero fazia uso da sua autoridade para obter privilégios e a venda de cargos da Igreja. Igualmente, muitos sacerdotes tinham esposas, apesar do celibato obrigatório o que fazia com que a população questionasse a santidade da Igreja. O maior escândalo foi a venda indiscriminada de indulgências, isto é, a remissão dos pecados em troca de pagamento em dinheiro a religiosos.

As teses de matinho lutero
As teses de Matinho Lutero

A Reforma de Lutero

A Reforma Protestante foi iniciada por Martinho Lutero (1483-1546). Lutero era um monge agostiniano alemão, e professor da Universidade de Witenberg, apesar de ser religioso, era também um forte critico da igreja Católica.

Por isso, no ano de 1517, revoltado com a venda de indulgências, Lutero escreveu em documento com 95 pontos criticando a Igreja e o próprio papa. Por ser monge, ele era um dos poucos na época que podiam ser e escrever. Embora as teses fossem feitas inicialmente para criar um debate entre os alunos de Lutero, os mesmos pregaram as teses para a população alemã, um ato extremamente indigesto para o Papa da época.

Sendo assim, em 1520, o papa Leão X redigiu uma bula condenando Lutero e exigindo sua retratação. Ainda revoltado, Lutero queimou a bula em público o que agravou a situação. Já em 1521, o imperador Carlos V convocou uma assembleia, chamada “Dieta de Worms”, na qual o monge foi considerado herege.

No entanto, Lutero foi acolhido por parte da nobreza alemã, que simpatizava com suas ideias. Foi assim que Lutero, sendo um dos poucos indivíduos letrados da época, se dedicou à primeira tradução da Bíblia do latim para o alemão, e a desenvolver os princípios da nova religião.

Lutero, sendo um dos poucos indivíduos letrados da época, se dedicou à primeira tradução da bíblia do latim para o alemão, e a desenvolver os princípios da nova religião
Lutero, sendo um dos poucos indivíduos letrados da época, se dedicou à primeira tradução da Bíblia do latim para o alemão, e a desenvolver os princípios da nova religião

Calvinismo de João Calvino

A revolta e os ideais de Lutero se espalharam pelo continente europeu e logo ganhou popularidade. E em diversas regiões da Europa, muitos religiosos passaram a estudar os escritos de Lutero e propor a renovação da Igreja, cada região com suas particularidades.

Na França e na Holanda, os princípios de Lutero foram ampliados por João Calvino (1509-1564), um dos principais representantes da reforma. Pertencente à burguesia e influenciado pelo Humanismo e pelas teses luteranas, Calvino se tornou em ardente defensor das novas ideias.

João Calvino foi responsável por criar a obra a “Instituição da religião cristã“, que veio a se tornar o catecismo dos calvinistas. Calvino foi responsável também por dinamizar o movimento reformista através de novos princípios, completando e ampliando a doutrina luterana.

Assim, o pensador determinou que não houvesse nenhuma imagem nas igrejas, nem sacerdotes paramentados. A Bíblia era a base da religião, não sendo necessária sequer a existência de um clero regular. Criando a ideologia presente em doutrinas protestantes até hoje, sobre a presença de imagens e santos.

Para Calvino, a salvação não dependia dos fiéis e sim de Deus, que escolhe as pessoas que deverão ser salvas. Também defendia que os fiéis possuíam o direito e o dever de melhorar suas condições de vida, sem ceder ao luxo.

O Calvinismo expandiu-se rapidamente por toda a Europa, mais do que o luteranismo. Atingiu os Países Baixos e a Dinamarca, além da Escócia, cujos seguidores foram chamados de presbiterianos; na França, huguenotes; e na Inglaterra, puritanos.

Para calvino, a salvação não dependia dos fiéis e sim de deus, que escolhe as pessoas que deverão ser salvas
Para Calvino, a salvação não dependia dos fiéis e sim de Deus, que escolhe as pessoas que deverão ser salvas

Anglicanismo na Inglaterra

O Anglicanismo foi criado no século XVI, pelo rei da Inglaterra Henrique VIII. Após a insatisfação do rei com algumas decisões tomadas pela Igreja Católica, Henrique inaugurou a Igreja Anglicana, sendo esta a religião oficial da família real inglesa até hoje. O Anglicanismo fez parte do movimento reformista, que buscava confrontar a Igreja, que ficou conhecido como Reforma protestante. 

No ano de 1534, o rei Henrique VIII optou pela separação da Igreja da Inglaterra (anglicanismo) da Igreja Católica. Tudo começou após a negativa do Papa para o pedido de anulação do casamento De Henrique com Catarina Aragão.

Revoltado, Henrique VIII obrigou que o Parlamento britânico instalassem diversas leis que fizessem com que a Igreja ficasse sobre submissão do Estado, sendo que, desta forma, o poder religioso seria concentrado nas mãos do absolutista. Com isso, Henrique apreendeu diversas propriedades na Inglaterra que estavam em posse da Igreja.

Com essa manobra, os nobre da época passaram a exercer maior influência na política, uma vez em que o rei começou a ter poder na nomeação dos cargos eclesiásticos e tornou-se o principal representante religioso. Esse momento histórico envolve também a dramática história de Henrique VIII com as irmãs Bolena, resultando no reinado da rainha Elizabeth I.

Henrique viii e ana bolena
Henrique VIII e Ana Bolena

Veja também: Entenda O Que Foi O Iluminismo

FAQ – Perguntas frequentes Reforma Protestante

O que foi a reforma protestante?

A Reforma Protestante foi a grande transformação religiosa da época moderna, pois rompeu a unidade do Cristianismo no Ocidente. A época foi marcada, principalmente pelo início da Idade Moderna, com a Revolução Industrial e Francesa, iluminismo, expansão marítima, etc.
O precursor do movimento foi Martinho Lutero, que fixou na porta da igreja do Castelo as 95 teses onde criticava certas práticas da Igreja Católica. Este fato é considerado estopim da reforma que mudaria para sempre o cristianismo. Além de Lutero, existiram outros líderes para a reforma protestantes em diferentes locais do mundo, dentre eles podemos citar João Calvino e o rei inglês Henrique VIII. O clero respondeu as mudanças com a contrarreforma, que buscava trazer de volta e manter os fiéis.

Como começou a insatisfação com a Igreja Católica?

Com o fim do Feudalismo, iniciou-se o processo de centralização monárquica que dominava a Europa que tornou tensa a relação entre reis e Igreja.
Até aquele momento, a Igreja Católica era grande possuidora de terras, mas com o fortalecimento do absolutismo, essa prática passou a ser questionada pelos monarcas que desejavam reter estes impostos no reino.
Além da realeza, os camponeses também estavam descontente com a Igreja, devido aos altos impostos cobrados que impediam a melhora de vida da população. Por toda Europa, mosteiros e bispados possuíam imensas propriedades e viviam às custas dos trabalhadores da cidade e dos campos, o que causou um grande desgaste na confiança dos fiéis.
A crescente da burguesia e do capitalismo também estremeceu a relação da Igreja com o povo, condenava práticas como a cobrança de juros por empréstimos, e o lucro em cima de trabalhos e mercadorias.
O clero fazia uso da sua autoridade para obter privilégios e a venda de cargos da Igreja. Igualmente, muitos sacerdotes tinham esposas, apesar do celibato obrigatório o que fazia com que a população questionasse a santidade da Igreja. O maior escândalo foi a venda indiscriminada de indulgências, isto é, a remissão dos pecados em troca de pagamento em dinheiro a religiosos.

O que foi o luterismo?

A Reforma Protestante foi iniciada por Martinho Lutero (1483-1546). Lutero era um monge agostiniano alemão, e professor da Universidade de Witenberg, apesar de ser religioso, era também um forte critico da igreja Católica.
Por isso, no ano de 1517, revoltado com a venda de indulgências, Lutero escreveu em documento com 95 pontos criticando a Igreja e o próprio papa. Por ser monge, ele era um dos poucos na época que podiam ser e escrever. Embora as teses fossem feitas inicialmente para criar um debate entre os alunos de Lutero, os mesmos pregaram as teses para a população alemã, um ato extremamente indigesto para o Papa da época.

O que foi o calvinismo?

A revolta e os ideais de Lutero se espalharam pelo continente europeu e logo ganhou popularidade. E em diversas regiões da Europa, muitos religiosos passaram a estudar os escritos de Lutero e propor a renovação da Igreja, cada região com suas particularidades.
Na França e na Holanda, os princípios de Lutero foram ampliados por João Calvino (1509-1564), um dos principais representantes da reforma. Pertencente à burguesia e influenciado pelo Humanismo e pelas teses luteranas, Calvino se tornou em ardente defensor das novas ideias.
João Calvino foi responsável por criar a obra a “Instituição da religião cristã“, que veio a se tornar o catecismo dos calvinistas. Calvino foi responsável também por dinamizar o movimento reformista através de novos princípios, completando e ampliando a doutrina luterana.
Assim, o pensador determinou que não houvesse nenhuma imagem nas igrejas, nem sacerdotes paramentados. A Bíblia era a base da religião, não sendo necessária sequer a existência de um clero regular. Criando a ideologia presente em doutrinas protestantes até hoje, sobre a presença de imagens e santos.
Para Calvino, a salvação não dependia dos fiéis e sim de Deus, que escolhe as pessoas que deverão ser salvas. Também defendia que os fiéis possuíam o direito e o dever de melhorar suas condições de vida, sem ceder ao luxo.
O Calvinismo expandiu-se rapidamente por toda a Europa, mais do que o luteranismo. Atingiu os Países Baixos e a Dinamarca, além da Escócia, cujos seguidores foram chamados de presbiterianos; na França, huguenotes; e na Inglaterra, puritanos.

O que foi o anglicanismo?

O Anglicanismo foi criado no século XVI, pelo rei da Inglaterra Henrique VIII. Após a insatisfação do rei com algumas decisões tomadas pela Igreja Católica, Henrique inaugurou a Igreja Anglicana, sendo esta a religião oficial da família real inglesa até hoje. O Anglicanismo fez parte do movimento reformista, que buscava confrontar a Igreja, que ficou conhecido como Reforma protestante. 
No ano de 1534, o rei Henrique VIII optou pela separação da Igreja da Inglaterra (anglicanismo) da Igreja Católica. Tudo começou após a negativa do Papa para o pedido de anulação do casamento De Henrique com Catarina Aragão.
Revoltado, Henrique VIII obrigou que o Parlamento britânico instalassem diversas leis que fizessem com que a Igreja ficasse sobre submissão do Estado, sendo que, desta forma, o poder religioso seria concentrado nas mãos do absolutista. Com isso, Henrique apreendeu diversas propriedades na Inglaterra que estavam em posse da Igreja.
Com essa manobra, os nobre da época passaram a exercer maior influência na política, uma vez em que o rei começou a ter poder na nomeação dos cargos eclesiásticos e tornou-se o principal representante religioso. Esse momento histórico envolve também a dramática história de Henrique VIII com as irmãs Bolena, resultando no reinado da rainha Elizabeth I.

Gostou do conteúdo? Que tal dar uma olhadinha em outros assuntos?

Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais para ficar por dentro de tudo!

Deixe um comentário