Tudo o que você precisa saber sobre o Segundo Reinado

Segundo Reinado foi o período da história brasileira em que o país foi governado por D. Pedro II, isto é, o Brasil foi governado por seu segundo monarca. Esse período teve seu início no ano de 1840, quando D. Pedro II foi coroado imperador após o Golpe da Maioridade, e teve seu fim no ano de 1889, quando a Proclamação da República colocou fim na monarquia do Brasil.

Foi um período de grandes transformações no país e marcado por importantes conflitos, como a Guerra do Paraguai.

Contexto histórico do Segundo Reinado

O Segundo Reinado se iniciou no ano de 1840 por meio do Golpe da Maioridade.

O que foi chamado de Golpe da Maioridade tratou-se da antecipação da coroação de Dom Pedro II, quando ele tinha apenas 13 anos de idade. De acordo com a Constituição de 1824, um dos requisitos para a coroação imperial era a maioridade, de forma que o herdeiro ao trono só poderia ser coroado após os 18 anos.

Porém, como seu pai, Dom Pedro I havia abdicado do trono em 1831, quando Dom Pedro II não possuía mais que 5 anos, o país foi governado pelo o que ficou conhecido na história como Período Regencial.

O golpe da maioridade foi visto como uma opção devido ao fato de que muitas províncias estavam passando por rebeliões. A solução encontrada para pacificar o Império era a coroação do novo imperador.

Por meio desse movimento, os políticos brasileiros anteciparam a maioridade de Dom Pedro II para que ele pudesse assumir o trono.

Assim foi iniciado o período do Segundo Reinado, que se estendeu por 49 anos e que pode ser dividido da seguinte maneira:

  • Consolidação (1840-1850)
  • Auge (1850-1865)
  • Declínio (1865-1889)
O segundo reinado é o período da história brasileira em que o país foi governado por d. Pedro ii
Segundo Reinado é o período da história brasileira em que o país foi governado por D. Pedro II

Política do Segundo Reinado

Existiram dois partidos que atuaram na política brasileira nesse período, que se formaram durante o Período Regencial e eram conhecidos como Partido Conservador e Partido Liberal.

A disputa pelo poder entre esses dois partidos era intensa e tinha impactos negativos para a política brasileira, uma vez em que gerava muita instabilidade. A saída encontrada pelo imperador foi promover uma política de revezamento em que conservadores e liberais alternavam-se na liderança do gabinete ministerial.

Conservadores eram a favor de uma grande centralização de poder nas mãos do imperador, enquanto os liberais defendiam maior autonomia local para as províncias.

A distribuição do poder durante o Segundo Reinado acontecia de forma que o imperador tivesse amplos poderes na política. Na época, o Estado brasileiro era dividido em 4 poderes, sendo eles o poder legislativo, executivo, judiciário e o moderador. O imperador, por sua vez, representava pessoalmente o Poder Moderador e estava à frente do Executivo.

O Brasil funcionava como uma monarquia parlamentarista na qual o imperador interferia na política sempre que fosse necessário para garantir seus interesses, modelo que ficou amplamente conhecido como parlamentarismo às avessas. Assim, se fosse eleito um primeiro-ministro que não lhe agradasse, ele o destituía, e se a Câmara tomasse medidas que não lhe agradassem, ela era dissolvida.

Charge representando o parlamentarismo às avessas
Charge representando o parlamentarismo às avessas

Economia do Segundo Reinado

A economia cafeeira se consolidou durante o Segundo Reinado como o principal meio de produção da economia brasileira.

A produção do café utilizava, principalmente, de trabalhadores escravizados. O Oeste Paulista ao longo da década de 1880, passou a substituir a mão de obra escravizada pelos imigrantes que passaram a chegar em grande volume no país.

Outro momento importante da economia brasileira, durante o Segundo Reinado, foi o de grande crescimento econômico marcado pelo desenvolvimento industrial, que ficou conhecido como a Era Mauá entre 1840-1860, e nela as receitas do Brasil aumentaram quatro vezes.

O crescimento econômico desse período é atribuído também ao fim do tráfico de navios negreiros no país por meio da Lei Eusébio de Queirós, de 1850. Com essa lei, o tráfico negreiro foi proibido, e todos os recursos antes eram utilizados na aquisição de escravos, passaram a servir para outros investimentos.

Com a lei eusébio de queirós o tráfico negreiro foi proibido, e todos os recursos antes eram utilizados na aquisição de escravos, passaram a servir para outros investimentos
Com a Lei Eusébio de Queirós o tráfico negreiro foi proibido, e todos os recursos antes eram utilizados na aquisição de escravos, passaram a servir para outros investimentos

Abolição da escravatura

Durante o Segundo Reinado, a abolição da escravatura foi um dos temas centrais a serem discutidos. O principal ponto de partida para que a abolição fosse decretada no Brasil foi a anteriormente citada, Lei Eusébio de Queirós, que estipulava a proibição do tráfico negreiro no país.

A partir dessa lei, o número de escravizados no Brasil foi diminuindo cada vez mais, marcando uma transição lenta e gradual do fim do período escravocrata. Durante esse período de transição, foram decretadas diversas leis, como a Lei de TerrasLei do Ventre Livre e Lei dos Sexagenários.

  • Lei das Terras: tornava a compra de terras como maneira única e exclusiva de possuir terras
  • Lei do Ventre Livre: considerava livre todos os filhos de mulheres escravizadas nascidos a partir desta
  • Lei dos Sexagenários: concedia liberdade aos escravizados com mais de 60 anos de idade

A abolição definitiva da escravatura aconteceu no dia 13 de maio de 1888, quando a princesa Isabel assinou a Lei Áurea.

Guerra do Paraguai

Um acontecimento marcante na história do Segundo Reinado foi a Guerra do Paraguai (1864-1870). O conflito foi marcado entre, Brasil, Argentina e Uruguai, por meio da Tríplice Aliança, contra o Paraguai, governado nessa época por Francisco Solano López. O Brasil venceu esse conflito, mas suas consequências para a economia do país e para a monarquia foram ruins.

Fim da monarquia

O fim da monarquia brasileira foi liderado pelo marechal Deodoro da Fonseca, que liderou as tropas que derrubaram o Gabinete Ministerial no dia 15 de novembro de 1889. A queda do império brasileiro foi resultado do desgaste da forma de governo com os interesses da elite política e econômica do país.

O grupo que teve maior envolvimento com o fim da coroa foi o Exército, insatisfeitos com a monarquia desde o fim da Guerra do Paraguai.

Proclamação da república do brasil
Proclamação da República do Brasil

FAQ – Perguntas frequentes

O que foi o segundo reinado?

Segundo Reinado foi o período da história brasileira em que o país foi governado por D. Pedro II, isto é, o Brasil foi governado por seu segundo monarca. Esse período teve seu início no ano de 1840, quando D. Pedro II foi coroado imperador após o Golpe da Maioridade, e teve seu fim no ano de 1889, quando a Proclamação da República colocou fim na monarquia do Brasil.

O que foi o golpe da maioridade?

O que foi chamado de Golpe da Maioridade tratou-se da antecipação da coroação de Dom Pedro II, quando ele tinha apenas 13 anos de idade. De acordo com a Constituição de 1824, um dos requisitos para a coroação imperial era a maioridade, de forma que o herdeiro ao trono só poderia ser coroado após os 18 anos.

O que era o poder moderador?

A distribuição do poder durante o Segundo Reinado acontecia de forma que o imperador tivesse amplos poderes na política. Na época, o Estado brasileiro era dividido em 4 poderes, sendo eles o poder legislativo, executivo, judiciário e o moderador. O imperador, por sua vez, representava pessoalmente o Poder Moderador e estava à frente do Executivo.

O que foi o parlamentarismo às avessas?

O Brasil funcionava como uma monarquia parlamentarista na qual o imperador interferia na política sempre que fosse necessário para garantir seus interesses, modelo que ficou amplamente conhecido como parlamentarismo às avessas. Assim, se fosse eleito um primeiro-ministro que não lhe agradasse, ele o destituía, e se a Câmara tomasse medidas que não lhe agradassem, ela era dissolvida.

Como ocorreu a abolição da escravatura?

Durante o Segundo Reinado, a abolição da escravatura foi um dos temas centrais a serem discutidos. O principal ponto de partida para que a abolição fosse decretada no Brasil foi a anteriormente citada, Lei Eusébio de Queirós, que estipulava a proibição do tráfico negreiro no país.
A partir dessa lei, o número de escravizados no Brasil foi diminuindo cada vez mais, marcando uma transição lenta e gradual do fim do período escravocrata. Durante esse período de transição, foram decretadas diversas leis, como a Lei de TerrasLei do Ventre Livre e Lei dos Sexagenários:
Lei das Terras: tornava a compra de terras como maneira única e exclusiva de possuir terras
Lei do Ventre Livre: considerava livre todos os filhos de mulheres escravizadas nascidos a partir desta
Lei dos Sexagenários: concedia liberdade aos escravizados com mais de 60 anos de idade
A abolição definitiva da escravatura aconteceu no dia 13 de maio de 1888, quando a princesa Isabel assinou a Lei Áurea.

O que foi a Guerra do Paraguai?

Um acontecimento marcante na história do Segundo Reinado foi a Guerra do Paraguai (1864-1870). O conflito foi marcado entre, Brasil, Argentina e Uruguai, por meio da Tríplice Aliança, contra o Paraguai, governado nessa época por Francisco Solano López. O Brasil venceu esse conflito, mas suas consequências para a economia do país e para a monarquia foram ruins.

Como a monarquia chegou ao fim?

O fim da monarquia brasileira foi liderado pelo marechal Deodoro da Fonseca, que liderou as tropas que derrubaram o Gabinete Ministerial no dia 15 de novembro de 1889. A queda do império brasileiro foi resultado do desgaste da forma de governo com os interesses da elite política e econômica do país.

Gostou do conteúdo? Não se esqueça de nos seguir nas redes sociais para ficar por dentro de tudo!

Deixe um comentário